Moderna vende 500 milhões de doses da sua vacina à iniciativa COVAX

A empresa norte-americana fornecerá até 466 milhões de doses em 2022. A Moderna junta-se assim à AstraZeneca, Pfizer e Johnson&Johnson na missão de fornecer vacinas a países com menos rendimentos.

A Moderna assinou um acordo com a Aliança de Vacinas Gavi para fornecer 500 milhões de doses da sua vacina contra a Covid-19 à iniciativa COVAX, que pretende levar a imunização aos países mais pobres. Desta, 34 milhões de doses devem ser entregues no quarto trimestre de 2021, anunciou a empresa esta segunda-feira, 3 de maio.

A vacina foi autorizada, na semana passada, para uso de emergência pela Organização Mundial de Saúde, o que a torna elegível para a Covax, de acordo com Gavi, da Vaccine Alliance, uma das parceiras da iniciativa.

A Moderna junta-se assim à AstraZeneca, Pfizer e Johnson&Johnson na missão de fornecer vacinas a países com menos rendimentos que tem enfrentado um conjunto de dificuldades. A Aliança Gavi é um dos parceiros que lidera a iniciativa COVAX, juntamente com a OMS e a Coligação para as Inovações de Prontidão Pandémica (CEPI, na sigla em inglês).

No ano passado, as doses encomendadas à Moderna tinham como destino os países mais ricos, com os Estados Unidos a reserv mais de 240 milhões de doses. Em sentido contrário, segundo os dados citados pela “Bloomberg”, do mês de abril, a Covax ainda só conseguiu enviar cerca de 50 milhões de doses a mais 120 países e regiões elegíveis para o programa.

O fornecimento da vacina de mRNA da Moderna para a Covax está programado para começar no quarto trimestre, com 34 milhões de doses disponíveis em 2021, informou Gavi. A empresa norte-americana fornecerá até 466 milhões de doses em 2022 e, potencialmente, fornecerá acesso a injeções adaptadas para combater variantes futura da Covid-19. no futuro.

Recomendadas

Costa diz que existem “boas notícias sobre a evolução da capacidade de produção e distribuição de vacinas” da Pfizer

O primeiro-ministro ficou confiante depois da conversa com o CEO da Pfizer, AlbertBourla. Também existem boas perspetivas para a política de preços para países em desenvolvimento, segundo o primeiro-ministro.

Brasil recomenda suspensão da vacinação com AstraZeneca em grávidas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão regulador de medicamentos no Brasil, pediu na madrugada desta terça-feira a suspensão da aplicação da vacina da AstraZeneca em mulheres grávidas.

Portugal com quatro milhões de vacinas administradas contra a Covid-19 (com áudio)

Desse total, mais de um milhão remetem para portugueses completamente vacinados.
Comentários