Negrão questiona Costa sobre nomeação de deputado do PS como administrador da ERSE

Líder da bancada parlamentar do PSD sublinhou que a entidade reguladora deve manter “independência face aos agentes do mercado mas também do poder político”. E perguntou: “O deputado Carlos Pereira assegura essa independência?” Ao que Costa respondeu: “Nenhum cidadão pelo facto de exercer mandato parlamentar fica incapacitado”.

O líder da bancada parlamentar do PSD, Fernando Negrão, questionou hoje o primeiro-ministro António Costa sobre a nomeação de Carlos Pereira, deputado do PS, como administrador da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Negrão sublinhou que a entidade reguladora deve manter “independência face aos agentes do mercado mas também do poder político”. E perguntou: “O deputado Carlos Pereira assegura essa independência?”

Na resposta, o primeiro-ministro alegou que “nenhum cidadão pelo facto de exercer mandato parlamentar fica incapacitado”. Mais, disse que o Governo escolheu “uma personalidade que julga ter aptidão” e que o respetivo perfil é avaliado pela Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (CReSAP) e sujeito a audição parlamentar. “Em função da posição da CReSAP e da Assembleia da República, o Governo toma posição”, afirmou Costa.

Negrão insistiu no tema, argumentando que o currículo de Pereira “não oferece garantias de independência para exercer essas funções”. E sublinhou que o parecer da Assembleia da República sobre a nomeação em causa “não é vinculativo”. Costa ressalvou que “o Governo não é autista e costuma dar ouvidos a quem tem que se expressar no momento próprio”.

Recomendadas

Visitas ao site do JE disparam em novembro, com subida de 33% para 5,8 milhões

O número de utilizadores do site do Jornal Económico aumentou 30% em novembro, face a outubro, para um total de 2,7 milhões. Acessos móveis representaram 79% do total. Plataforma multimédia JE TV tem cada vez mais telespectadores. Obrigado pela sua preferência!

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.
Comentários