Nicolás Maduro acusa: “Sequestraram-nos 30 milhões de euros em Portugal”

A tensão entre Portugal e a Venezuela tem vindo a aumentar nos últimos dias, depois de oito operacionais da força de elite da PSP terem sido impedidos de entrar na Venezuela para proteger a embaixada nacional, um dia antes de Portugal reconhecer Juan Guaidó como presidente interino.

O governo venezuelano ficou com 30 milhões de euros sequestrados em Portugal, acusou Nicolás Maduro numa entrevista a uma televisão espanhola, num momento em que aumenta a tensão entre Lisboa e Caracas.

“Agora mesmo sequestraram-nos em Portugal uns 30 milhões de euros, com os quais estávamos a pagar um sistema de autocarros que comprámos no país para transporte público”, disse Nicolás Maduro numa entrevista feita pelo canal La Sexta, sem adiantar mais pormenores.

“Todos os dias roubam-nos, congelam-nos, sequestram-nos. Mas não vao conseguir, de maneira alguma. Juro pelos nossos antepassados”, afirmou Maduro em entrevista conduzida pelo jornalista Jordi Évole.

As declarações de Nicolás Maduro surgiram durante a entrevista quando afirmou que a Venezuela está a ser alvo de uma “guerra económica” com o objetivo de “asfixiar a economia” do país. “Eles dirigem uma guerra económica para asfixiar a nossa economia. Deram-nos golpes duros. Por exemplo, por exemplo, temos sequestrado no Euroclear, que é um sistema de pagamento, 1.400 milhões de dólares é assim há vários meses. Por ordem do Governo de Estados Unidos, com esse dinheiro estavamos a pagar medicamentos, alimentos”, disse.

A tensão entre Portugal e a Venezuela tem vindo a aumentar nos últimos dias. Os oito operacionais do Grupo de Operações Especiais (GOE) da PSP que partiram de Lisboa no sábado com a missão de defender a embaixada e o consulado de Portugal na Venezuela, foram impedidos de entrar no país pelas forças de segurança da Maduro, conforme revelou a RTP. Estes membros da força de elite da PSP foram obrigados a regressar a Lisboa, após as negociações diplomáticas entre Lisboa e Caracas terem terminado sem sucesso.

O incidente teve lugar apenas um dia antes de Portugal reconhecer a legitimidade de Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, a par de dezenas de países europeus, depois do regime de Nicolás Maduro se ter recusado a convocar eleições antecipadas.

 

Regime de Maduro impede entrada do Grupo de Operações Especiais da PSP na Venezuela

Ler mais
Relacionadas

Regime de Maduro impede entrada do Grupo de Operações Especiais da PSP na Venezuela

A unidade anti-terrorista da PSP tinha a missão de defender a embaixada e o consulado de Portugal na Venezuela, mas foi impedida de entrar no país pelas forças de segurança de Maduro, avança a RTP.

Representante de Guaidó vai estar em Washington para ouvir discurso de Trump

Marco Rubio, senador republicano, convidou um representante de Juan Guaidó, Carlos Vecchio, para ouvir o discurso que Trump proferirá no Congresso norte-americano.

Respostas rápidas: como está a evoluir o conflito na Venezuela?

A oposição e as forças que a apoiam estão a acrescentar uma caráter humanitário à intervenção política. Entretanto, são pelo menos 35 os países que apoiam Juan Guaidó como presidente interino.
Recomendadas

Venezuela prolonga até amanhã horário especial de trabalho e escola devido aos apagões

O anúncio foi feito pelo ministro de Comunicação e Informação venezuelano, Jorge Rodríguez, através da sua conta na rede social Twitter.

Sindicatos convocam protestos junto à sede da EDP durante a AG de hoje

A acção foi convocada para o momento em que decorrerá, na sede da EDP, a assembleia geral de accionistas. A Federação Intersindical (Fiequimetal) exige a valorização das carreiras, em especial dos trabalhadores mais recentes, e reivindica fim das desigualdades salariais que afectam os trabalhadores contratados depois do Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) ter entrado em vigor em 2014.

Europeias: Moedas acredita que há “uma grande probabilidade” de Reino Unido participar nas eleições

O comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação defende que a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) devem estar concluídas até 31 de outubro, mas diz que o que aconteceu no passado deixa dúvidas em relação ao cumprimento do novo prazo.
Comentários