OMS alerta para recorde de novas infeções registado na semana passada

Em linha com o aumento do número de infeções, continua também a aumentar o número de óbitos. Só na semana passada, contabilizaram-se mais de três milhões de vítimas mortais.

Organização Mundial de Saúde

O diretor-geral da Organização Mundial de Saúde afirmou, esta segunda-feira, que pela oitava semana consecutiva, os casos confirmados por Covid-19 no mundo têm continuado a aumentar. Segundo o responsável, só na semana passada foram contabilizados mais de 5,2 milhões de infeções.

“Trata-se do máximo registado até agora”, disse durante uma conferência esta tarde, em Geneva.

Em linha com o aumento do número de infeções, continua também a aumentar o número de óbitos. Segundos os dados recolhidos pela entidade de saúde pública, pela quinta semana consecutiva, as vítimas cresceram. Só na semana passada, contabilizaram-se mais de três milhões de mortes.

“Demorámos nove mesos a chegar ao patamar de um milhão de mortes. Quatro meses para chegar aos dois milhões e três meses para chegar às três milhões de mortes”, continuou Tedros Adhanom Ghebreyesus durante a conferência de imprensa.

“Números grandes podem deixar-nos dormentes, mas cada uma dessas mortes é uma tragédia para famílias, comunidades e nações”, explicou.

O grande alerta, porém, recai sobre “o aumento alarmante” de casos e hospitalizações entre os 25 e 59 anos, possivelmente relacionado com o aumento dos contágios por novas variantes e o processo de desconfinamento que decorre em alguns países.

Por cá, o último relatório da Direção-Geral de Saúde (DGS), dava conta de 220 novos casos de infeção e uma morte. Da totalidade de novos casos, 48 têm 40-49 anos, 46 têm 30-39 anos, 31 estão na faixa etária dos 60-69 anos e há 10 novos casos tanto na população com 10-19 anos, como com 50-59 anos. Vinte pessoas têm 70-79 anos, 19 tem 80 anos ou mais e apenas três estão na faixa etária dos 20-29 anos.

Ler mais
Recomendadas

Concelhos em alerta. Só Cabeceiras de Basto dá o passo atrás no desconfinamento

O cordão sanitário manter-se-á nas duas freguesias de Odemira. Ainda assim, a ministra Mariana Vieira da Silva diz que a redução da incidência do vírus “é um sinal de uma pandemia que se encontra controlada, pese embora a existência de surtos”.

Média de ocupação dos alojamentos no Algarve foi de apenas 5,7% em abril

“Em valores acumulados, desde o início do ano, a ocupação cama regista uma descida média de 89,4%”, aponta a AHETA.

Governo decide manter cerca sanitária em duas freguesias de Odemira

O fim da cerca sanitária, definida na semana passada, foi reivindicado já pelo município, que na quarta-feira formalizou esse pedido ao primeiro-ministro, António Costa.
Comentários