Portugal alerta países que decisões sobre vacina da AstraZeneca “afetam todos”

Marta Temido anuncia que “a Comissão Europeia e a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia apelaram a todos os Estados-membros para que procurem uma posição o mais coordenada possível na UE”.

Marta Temido, ministra da Saúde | Lusa

A presidência portuguesa da União Europeia alertou hoje os Estados-membros que “decisões individuais afetam todos” relativamente ao uso da vacina da AstraZeneca, envolta em riscos de coágulos sanguíneos, pedindo uma “posição o mais coordenada possível” entre os 27.

Num comunicado divulgado após a reunião virtual dos ministros europeus da Saúde, convocada de emergência e presidida pela ministra portuguesa da tutela, Marta Temido, lê-se que “a Comissão Europeia e a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia apelaram a todos os Estados-membros para que procurem uma posição o mais coordenada possível na UE”.

Citada pela nota, Marta Temido sublinha: “Não devemos esquecer que as decisões individuais afetam todos”.

A presidência portuguesa do Conselho da UE promoveu hoje uma reunião de emergência, por videoconferência, dos ministros europeus da tutela, que se realizou depois do anúncio público das conclusões do relatório do Comité de Avaliação do Risco em Farmacovigilância da Agência Europeia do Medicamento (EMA) sobre a segurança da vacina AstraZeneca.

A agência europeia divulgou que existe uma “possível relação” entre a vacina contra a covid-19 da farmacêutica AstraZeneca e a formação de “casos muito raros” de coágulos sanguíneos, mas insistiu nos benefícios do fármaco face aos riscos de efeitos secundários, dada a gravidade da pandemia.

“Esta é uma decisão técnica, não uma decisão política. Devemos continuar a seguir a melhor informação científica disponibilizada pela EMA nos seus pareceres”, adianta Marta Temido na declaração divulgada à imprensa no final da reunião.

A diretora executiva da EMA, Emer Cooke, participou nesta reunião virtual, tendo garantido aos ministros da tutela que o regulador europeu vai “continuar a acompanhar eventuais efeitos secundários, desta e de todas as vacinas contra a covid-19, atualizando recomendações em caso de necessidade”, segundo o comunicado.

A nota dá ainda conta, sem precisar, que “os Estados-membros da UE partilharam diferentes interpretações sobre as conclusões do relatório, tendo procurado, no entanto, clarificar com a EMA aspetos relacionados com a segurança da Vaxzevria”, o novo nome do fármaco da AstraZeneca.

“Todos concordaram na necessidade de mais estudos de farmacovigilância para grupos específicos”, indica o comunicado divulgado pela presidência portuguesa do Conselho.

É ainda referido que, “estando os planos de vacinação nos Estados-membros numa fase crucial da sua concretização, os ministros assumiram o compromisso de prosseguir com prioridade a discussão de matérias relacionadas com todo o processo europeu e o seu planeamento futuro”.

Nesta investigação, a EMA verificou que estes casos muito raros de coágulos de sangue ocorreram, principalmente, em mulheres com menos de 60 anos de idade, no prazo de duas semanas após a vacinação, embora não tenha chegado a qualquer conclusão sobre fatores de risco específicos.

Uma possível explicação poderá estar na baixa resposta imunológica destas pessoas, mas também no facto de mais mulheres estarem a ser vacinadas na Europa.

Haverá uma nova atualização da informação sobre a vacina, dadas as conclusões hoje divulgadas.

Dados divulgados pela Comissão Europeia revelam que, até esta manhã, 15,4% dos adultos europeus receberam uma primeira dose da vacina contra a covid-19, havendo 6,4% foram totalmente vacinados.

Ao todo, mais de 108 milhões de doses foram entregues à UE, num ritmo médio de mais de um milhão de vacinações que ocorrem todos os dias (dadas as mais de 11 milhões de doses foram administradas na última semana).

Atualmente, estão aprovadas quatro vacinas na UE pela EMA: Pfizer/BioNTech (Comirnaty), Moderna, Vaxzevria (novo nome da vacina da AstraZeneca) e Janssen (grupo Johnson & Johnson, que estará em distribuição em meados deste mês de abril).

Ler mais
Relacionadas

Relação entre vacina AstraZeneca e coágulos sanguíneos “plausível mas não confirmada”, diz OMS

“Com base na informação atual, uma relação causal entre a vacina e a ocorrência de coágulos de sangue com plaquetas baixas é considerada plausível, mas não é confirmada. São necessários estudos especializados para compreender plenamente a potencial relação entre a vacinação e os possíveis fatores de risco”, diz a OMS num comunicado do Comité Consultivo sobre a segurança das vacinas.

Vacina da AstraZeneca é “parte importante” da campanha europeia, garante Bruxelas

“A vacina da AstraZeneca é uma parte importante do nosso portfólio de vacinas e é uma parte significativa das campanhas nacionais de vacinação e dos nossos esforços para fazer face ao impacto da covid-19”, declarou a comissária europeia da Saúde, Stella Kyriakides.

Regulador europeu confirma “possível ligação” entre Astrazeneca e formação de coágulos sanguíneos (com áudio)

A diretora executiva Agência Europeia de Medicamentos reiterou, no entanto, “que os benefícios [da vacina] na preveção da Covid-19 sobrepõem-se aos riscos”, frisando que o risco de morte por Covid-19 continua a ser maior do que pelos potenciais efeitos secundários causados pelo uso desta vacina. Os casos reportados vão ser listados como efeitos colaterais extremamente raros.
Recomendadas

Movimento ‘Save the Travel Industry’ escolhe o Algarve para mostrar que é possível viajar em segurança

Com este propósito, seis representantes de reconhecidas agências de viagens do mercado alemão, que integram este movimento, estão na região do Algarve durante uma semana, de 18 até ao próximo dia 25 de abril.

Bruxelas admite levar AstraZeneca à justiça e não renovar contrato por falhas

O comissário europeu da Justiça disse hoje, em entrevista à Lusa, que Bruxelas equaciona um processo judicial contra a farmacêutica AstraZeneca, por entregas de vacinas anticovid-19 atrasadas e abaixo do contratualizado, admitindo também não firmar novo contrato.

Alemanha negoceia compra de 30 milhões de doses da vacina russa para o verão

A aquisição foi confirmada pelo ministro da Saúde russo, Mikhail Murashko, que anunciou, na rede social Twitter, que o governo alemão “está a negociar a compra de três remessas de 10 milhões de doses em junho, julho e agosto”.
Comentários