Portugal regista 46.512 casos de contágio, mais 291 do que ontem. Óbitos são 1.660

Segundo o boletim da Direcção Geral de Saúde deste domingo, 12 de julho, há a registar mais 291 casos nas últimas 24 horas e seis mortos. O número de casos recuperados em Portugal totaliza agora os 30.907.

Lusa

Em Portugal, há já um total 46.512 casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (Covid-19), mais 291 face aos dados apresentados sábado, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde revelado este domingo, 12 de julho.

O número de vítimas mortais do novo coronavírus no país aumentou para 1.660, o que significa mais seis mortes nas últimas 24 horas.

O boletim regista um total de 40.5110 casos suspeitos e 1.638 pessoas que ainda aguardam os resultados das análises laboratoriais de Covid-19.

Os dados revelam ainda a existência de 462 internados, 64 dos quais estão em Unidades e Cuidados Intensivos. Há ainda a destacar um aumento dos casos recuperados para 30.907.

Atualmente, encontram-se sob vigilância das autoridades de saúde 34.512 pessoas. A região de Lisboa e Vale do Tejo tem o maior número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus até à data: 22.611, seguida da região norte com 18.109.

Os sintomas mais referidos são tosse (36%), febre (28%), dores musculares (21%), cefaleias (20%), fraqueza generalizada (14%) e dificuldades respiratórias (10%).

 

Ler mais
Recomendadas

Pedro Silva Pereira designado relator para acordo do Brexit

“A proposta de lei do Governo de Boris Johnson sobre o mercado interno britânico tem disposições unilaterais frontalmente contrárias ao protocolo para a Irlanda e a Irlanda do Norte. É uma violação grosseira do princípio da boa fé e do Direito internacional. Não podia ter outra resposta”, refere o eurodeputado socialista.

OE 2021: Aumento de 20 euros do salário mínimo em cima da mesa

Proposta do executivo de António Costa para o aumento do salário mínimo poderá ser de menos 15 euros do que foi no ano passado, uma medida que não agrada ao Bloco de Esquerda que pede um crescimento de 35 euros, nem ao PCP que sugere uma subida de 215 euros.

Horários flexíveis em Lisboa e Porto vão durar seis meses e podem ser alterados todas as semanas

As empresas com mais de 50 trabalhadores vão poder alterar os horários semanalmente, mas a diferença máxima na hora de entrada e saída só pode ser de uma hora. Limites máximos diários e semanais do horário de trabalho não podem ser ultrapassados, nem passar o horário diurno ou noturno e vice-versa.
Comentários