Portugal tem 40 concelhos com incidência acima dos 480 casos

Por outro lado, o primeiro-ministro anunciou três fases no processo “de libertação da sociedade e da economia” das restrições impostas por causa da pandemia, que se estendem entre 01 de agosto e outubro, e que, a partir de domingo, as regras seriam iguais em todo o território continental, deixando de haver medidas diferenciadas por concelhos.

Lusa

Quarenta concelhos portugueses registaram uma incidência superior a 480 casos de infeção pelo vírus SARS-COV-2 por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, um novo nível da matriz de risco de monitorização da pandemia de covid-19.
Na quinta-feira, o Conselho de Ministros definiu que o nível de risco na matriz de monitorização da pandemia de covid-19 passa a fixar-se em 480 casos por 100 mil habitantes a 14 dias em vez dos atuais 240.

Por outro lado, o primeiro-ministro anunciou três fases no processo “de libertação da sociedade e da economia” das restrições impostas por causa da pandemia, que se estendem entre 01 de agosto e outubro, e que, a partir de domingo, as regras seriam iguais em todo o território continental, deixando de haver medidas diferenciadas por concelhos.

A Direção-Geral da Saúde continua, por sua vez, a divulgar dados por concelhos com referência à incidência cumulativa que “corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada”.

Esta lista apresenta os dados da incidência cumulativa a 14 dias em sete níveis: abaixo de 20, entre 20,0 e 59,9, entre 60,0 e 119,9, entre 120,0 e 239,9, entre 240,0 e 479,9, entre 480 e 959,9 e acima de 960.

Segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) hoje divulgado, Portugal tem 232 concelhos com uma incidência superior a 120 casos de infeção pelo vírus SARS-COV-2 por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, mais 20 do que na última sexta-feira.

Destes 232 concelhos, 40 registam incidência cumulativa a 14 dias superior a 480 casos entre 15 e 28 de julho.

Acima do limiar máximo e mais de 960 casos por 100 mil habitantes, de acordo com as categorias definidas pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC), estão quatro concelhos: Albufeira (1.100), Loulé (993), Portimão (1.183) e Sines (1.364).

Os dados da DGS indicam ainda que, nos últimos 14 dias, 90 concelhos ultrapassaram os 240 casos de infeção por 100 mil habitantes.

Sem qualquer caso de infeção pelo novo coronovírus nos últimos 14 dias estão agora seis concelhos: Santa Cruz das Flores, Barrancos, Nisa, S. Vicente, Corvo e Vila Velha de Rodão.

Na nota explicativa dos dados por concelhos é referido que a incidência cumulativa “corresponde ao quociente entre o número de novos casos confirmados nos 14 dias anteriores ao momento de análise e a população residente estimada”.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.202.179 mortos em todo o mundo, entre mais de 196,5 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.344 pessoas e foram registados 966.041 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Recomendadas

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Peritos apostam na vacinação, testagem, medidas sanitárias e gestão de risco

A testagem foi igualmente defendida pela especialista do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto. Neste aspeto, sobressaiu a defesa de um ajuste nas estratégias de testagem, através da “identificação de populações de maior risco e promoção dos testes gratuitos” em locais validados e incluindo grupos vacinados.

Ministro brasileiro obrigado a fazer quarentena nos Estados Unidos

Marcelo Queiroga, responsável pela pasta da Saúde no Brasil, esteve em contacto com pelo menos 30 pessoas no debate na ONU e testou positivo para a Covid-19, apesar de, ao contrário de Jair Bolsonaro, não estar vacinado.
Comentários