Quidgest e Saphety celebram parceria para fatura eletrónica

Empresas preparam oferta conjunta para responder à obrigatoriedade da Administração Pública passar a desmaterializar os processos de faturação.

A Quidgest e a Saphety anunciaram uma oferta conjunta para dar resposta à obrigatoriedade legal de toda a Administração Pública passar a desmaterializar os processos de faturação até ao final de 2018.

Em concreto, o ERP da Quidgest, denominado SINGAP, em especial os módulos de Aprovisionamento, Contabilidade Pública e Gestão Documental, fica agora interoperável com a plataforma de Contratação Pública Eletrónica SaphetyGov e com a plataforma de Faturação Eletrónica SaphetyDoc, duas das soluções desta empresa.

“Os clientes do setor público têm agora à sua disposição uma nova solução integrada de gestão, desenvolvida, totalmente pela engenharia de software portuguesa e que engloba as mais recentes tecnologias web, cloud e mobilidade”, explicam as empresas em comunicado enviado às redações.

Segundo o documento, esta nova solução poderá ser complementar ou funcionar como alternativa às soluções que as instituições têm ou necessitem atualizar.

A parceria visa ainda o desenvolvimento de negócios noutras áreas de especialização.

A Saphety promove dia 27 de fevereiro, no Centro de Congressos de Lisboa, um debate subordinado ao tema “Faturação Eletrónica na Administração Pública”, destinado à Administração Pública e fornecedores. A Quidgest participa, intervindo no painel “A Implementação da Faturação Eletrónica na Administração Pública”.

Ler mais

Recomendadas

Portugal regista mais 691 casos e três mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 386 altas nas últimas 24 horas, elevando para 46.676 o número total de pessoas livres do vírus.

Estado de Contingência alargado até 14 de outubro

O Estado de Contingência atual terminaria no final de setembro, indo agora durar mais 15 dias.

Governo prolonga prazos de moratórias até 30 de setembro de 2021

“Setores ligados a alojamento, transportes turísticos estão a ser muito afetados, impacto está a ser muito mais drástico e por isso quisemos beneficiar as empresas destes setores”, esclareceu o ministro da Economia.
Comentários