Suécia regista uma das taxas de infeção mais baixas da Europa

O principal epidemiologista do pais defende que a estratégia, por muitos criticada, foi a mais correta. “No final, veremos que diferença terá uma estratégia mais sustentável, que se possa manter por muito tempo, em vez da estratégia que significa confinar, abrir e confinar de novo”.

Suécia | Andres Kudacki/AP Photo

O país que criou polémica por resistir à implementação de medidas de confinamento obrigatório quando a pandemia ganhava terreno na Europa, regista agora uma das mais baixas taxas de contágio de Covid-19. Esta quebra de novos casos chega numa altura em que maioria dos países europeus se prepara para enfrentar uma segunda vaga da pandemia.

De acordo com a notícia avançada pelo “The Guardian”, que cita os dados do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC, sigla em inglês), o país regista, em média, 198 casos por dia. Trata-se do nível mais baixo desde 13 de março, altura em que a pandemia atingia máximos em países com a Espanha ou Itália. Por sua vez, os dados da agência nacional de saúde sueca mostram que apenas 1,2% dos 120 mil testes feitos na semana passada deram positivo.

À imprensa sueca, o principal epidemiologista do pais, Andreas Tegnell, defende que a estratégia adotada, ainda que tivesse sido criticada a nível mundial, foi a mais correta.

Johan Carlson, diretor-geral da agência de saúde pública da Suécia, também defendeu, na semana passada, que a estratégia foi um sucesso porque significa que as mensagens para o público foram claras e consistentes, colocando um ênfase na responsabilidade pessoal.

Ao contrário do que se assistiu no resto do mundo, o país escandinavo apenas decidiu encerrar as escolas para os maiores de 16 anos, tendo incentivado a comparência obrigatória nos estabelecimentos escolares aos estudantes mais novos. Agora, numa altura em que se assiste ao arranque do ano letivo, escolas secundárias e universidades voltaram a abrir portas.

As zonas comerciais e de lazer continuaram abertas, mas o uso de máscara obrigatório nunca foi implementado pelas autoridades de saúde do país. Por fazer parte de um grupo de risco, o Governo proibiu as visitas aos lares e os concertos e grandes eventos desportivos foram cancelados, em linha com as manifestações que ficaram proibidas de ultrapassar o limite das 50 pessoas. As fronteiras permaneceram abertas, ao contrário do que se verificou nos países vizinhos, Noruega e Dinamarca, e aos 10 milhões de habitantes no país foi pedido que tivessem atenção ao distanciamento social e que trabalhassem a partir de casa, se possível.

“No final, veremos que diferença terá uma estratégia mais sustentável, que se possa manter por muito tempo, em vez da estratégia que significa confinar, abrir e confinar de novo”, cita o jornal britânico, as declarações do especialista que argumenta que o objetivo da estratégia adotada pelo governo de Sveriges Statsminister tinha como objetivo “reduzir a disseminação do vírus” e não de atingir a imunidade coletiva.

De acordo com o ECDC, o total acumulado de novos casos de 14 dias na Suécia é de 22,2 por 100 mil habitantes. Em Portugal, essa taxa fixa-se nos 64,1, enquanto que em Espanha é de 279, em França é de 158,5, na República Checa é de 118, na Bélgica é de 77 e 59 no Reino Unido.

Analisando a situação geral, a Suécia soma mais de 87 mil novos casos, perto de seis milhões de mortes e apenas 13 doentes em cuidados intensivos. Não existem dados relativos ao número de recuperados.

A única fragilidade na estratégia da Suécia são as mortes que continuam muito elevadas, quase cinco vezes mais do que em Portugal. Porém, Andreas Tegnell garante que a alta taxa de mortalidade não está relacionada com a estratégia geral, mas sim com o fracasso em prevenir a disseminação do vírus nos lares e casas de saúde do país. “É claro que algo correu mal”, disse.

Apesar disso Jonas Ludvigsson, professor de Epidemiologia do respeitado Karolinska Institutet de Estocolmo, subscreve às declarações do especialista e afirma à imprensa sueca que a “estratégia da Suécia tem sido consistente e sustentável. Provavelmente agora temos um risco menor de propagação em comparação com outros países”.

Esta terça-feira, o governo sueco anunciou que vai suspender a proibição de visitas a lares de idosos pela primeira vez, a partir de outubro. A ministra dos Assuntos Sociais, Lena Hallengren, considerou a medida como “um risco” mas que espera que todos “todos assumam a responsabilidade”.

Ler mais
Recomendadas

Espanha regista mais de 14 mil novas infeções por Covid-19 e 90 mortes num dia

Madrid continua a ser a comunidade autónoma com o maior número de infeções, tendo registado mais 5.086 do que o número notificado na terça-feira, o que significa mais de 35% da evolução nacional.

“É importante evitar manifestações de massas”, alerta Presidente da República

Sem querer especificar situações como os ajuntamentos no Santuário de Fátima, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que “é importante não juntar novos fatores de contágio, seja manifestações de massas ou outras menos expressivas”.

Moderna quer produzir 20 milhões de doses da vacina contra o Covid-19 até ao final de 2020

Atualmente, não há vacinas contra o Covid-19 aprovadas pelos reguladores dos EUA, embora algumas já se encontrem na fase final de testes para provar que são seguras e eficazes.
Comentários