Taj Mahal reabre ao público na Índia após seis meses encerrado

Encerrado ao público desde 17 de março, o Taj Mahal recebeu hoje novamente visitantes, depois de a reabertura, inicialmente anunciada para o início de julho, ter sido adiada pelo Ministério da Cultura indiano, devido ao aumento de casos no país.

Índia

O Taj Mahal, o monumento mais visitado na Índia, reabriu hoje após seis meses encerrado por causa da pandemia, apesar de o número diário de novos casos de covid-19 no país se manter perto dos 90 mil.

Com uma população de 1,3 mil milhões de pessoas, a Índia é o segundo país do mundo com o maior número de infeções, depois dos Estados Unidos, totalizando mais de 5,4 milhões de contágios desde o início da pandemia.

Apesar disso, o Governo indiano está gradualmente a abrandar as regras instauradas para combater a pandemia, levantando restrições aos voos domésticos e à circulação de comboios ou à reabertura de mercados e restaurantes.

Encerrado ao público desde 17 de março, o Taj Mahal recebeu hoje novamente visitantes, depois de a reabertura, inicialmente anunciada para o início de julho, ter sido adiada pelo Ministério da Cultura indiano, devido ao aumento de casos no país.

Construído no século XVII no norte da Índia, em Agra, 200 quilómetros a sul de Nova Deli, o mausoléu de mármore branco regista sete milhões de visitantes por ano.

O monumento, considerado Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, foi construído em homenagem à segunda mulher do imperador Shah Janan, a princesa Mumtaz Mahal, que morreu em 1631.

O anúncio da reabertura foi feito há duas semanas, tendo as autoridades garantido que a medida vai ser acompanhada de “todos os protocolos relacionados com a covid-19”, incluindo uso obrigatório de máscara, medição da temperatura à entrada e limite ao número máximo de visitantes, de acordo com a agência de notícias France-Presse (AFP).

Apenas cinco mil visitantes serão admitidos por dia, um quarto do número habitual, informaram as autoridades.

A Índia é o segundo país do mundo com o maior número de casos, atrás apenas dos Estados Unidos, e o terceiro com mais mortos, depois daquele país e do Brasil.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 957.948 mortos e mais de 30,8 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Ler mais
Recomendadas

Líderes europeus querem evitar a todo o custo novo encerramento de fronteiras, sublinha António Costa

No final do Conselho de Ministros extraordinário desta quinta-feira, António Costa explicou os compromissos e estratégias acertadas entre os líderes dos 27 estados-membros do bloco europeu, sublinhando que a responsabilidade de conter a pandemia e evitar o colapso dos sistemas de saúde é, agora, de cada um “individualmente”.

França vai gastar 15 mil milhões de euros com medidas de contenção para conter novo coronavírus

“Vamos reforçar todos os dispositivos de ajuda”, afirmou o governante, especificando que seis mil milhões respeitam a fundos de solidariedade, sete mil milhões para desemprego parcial (o designado ‘lay-off’), mais de mil milhões para exonerações de contribuições sociais e outro tanto para assumir custos de empresas com alugueres.

“Não desistimos de nenhuma batalha antes de acabar”. PCP apresenta propostas de alteração ao OE 2021

Entre as medidas apresentadas, no campo da justiça fiscal, João Oliveira anunciou que os comunistas pretendem a “atualização dos escalões IRS, o aumento de mais um escalão neste imposto aumentando a progressividade do mesmo, bem como o aumento dos chamados valores do mínimo de existência e dedução especifica, permitindo cumprir o objetivo de redução da tributação dos rendimentos mais baixos, intermédios”.
Comentários