Um em cada quatro franceses já foram vacinados com uma primeira dose

“As coisas estão a acelerar-se”, fez saber o Presidente esta tarde a partir do Palácio do Eliseu.

Gonzalo Fuentes/Reuters

França já vacinou 24,8% da sua população, ou seja, um em cada quatro franceses já receberam a primeira dose da vacina, embora o número de pacientes em estado grave continue a aumentar, segundo divulgaram hoje as autoridades sanitárias gaulesas.

Segundo o Presidente República, Emmanuel Macron, o país está “no bom caminho” ao já ter vacinado com a primeira dose 12.999.655 pessoas.

“As coisas estão a acelerar-se”, fez saber o Presidente esta tarde a partir do Palácio do Eliseu.

Ao mesmo tempo, o número de pacientes graves no hospital continua a aumentar, com 5.970 pessoas internadas, mais 14 do que na véspera.

Desde segunda-feira, morreram em França 375 pessoas, perfazendo um total de 101.514 óbitos desde o início da pandemia.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.031.441 mortos no mundo, resultantes de mais de 141,9 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Ler mais
Recomendadas

Concelhos em alerta. Só Cabeceiras de Basto dá o passo atrás no desconfinamento

O cordão sanitário manter-se-á nas duas freguesias de Odemira. Ainda assim, a ministra Mariana Vieira da Silva diz que a redução da incidência do vírus “é um sinal de uma pandemia que se encontra controlada, pese embora a existência de surtos”.

Espanha regista quebra de 75% no número de turistas estrangeiros em março

Os confinamentos vividos no segundo país mais visitado do mundo antes da pandemia levaram a quebras assinaláveis na chegada de turistas estrangeiros ao país. O principal mercado emissor, o Reino Unido, quebrou 97,2% nos primeiros três meses do ano, sendo suplantado em volume de visitantes por França, Alemanha e até Portugal.

Média de ocupação dos alojamentos no Algarve foi de apenas 5,7% em abril

“Em valores acumulados, desde o início do ano, a ocupação cama regista uma descida média de 89,4%”, aponta a AHETA.
Comentários