Vacinação diária de 100 mil pessoas “dentro de duas a três semanas”

Segundo Henrique Gouveia e Melo, a segunda fase da vacinação está a ser organizada e testada e as “indicações são positivas”, sendo necessário vacinar cerca de 100 mil pessoas diariamente, já “dentro de duas a três semanas”, para utilizar todas as vacinas que o país vai receber.

Mário Cruz/Lusa

O coordenador do plano de vacinação afirmou hoje que, dentro de duas a três semanas, será possível vacinar em média 100 mil pessoas por dia, um processo que será “complexo” pela rapidez e número de doses a administrar.

“Imaginem o que é ter um processo que mete 1% da população portuguesa todos os dias num determinado local para ser vacinada, de forma organizada e sem perturbações. Sete dias por semana sem cansaço e sem descansos”, referiu Gouveia e Melo.

O coordenador da task force que coordena a vacinação contra a covid-19 falava num debate online que marcou o início da campanha nacional “Conversas com Cientistas – Décadas de Ciência para Dias de Vacinas”, coordenada por um grupo de instituições científicas portuguesas em parceria com a Ciência Viva e a Sociedade Portuguesa de Imunologia.

Segundo Henrique Gouveia e Melo, a segunda fase da vacinação está a ser organizada e testada e as “indicações são positivas”, sendo necessário vacinar cerca de 100 mil pessoas diariamente, já “dentro de duas a três semanas”, para utilizar todas as vacinas que o país vai receber.

“Passamos de uma fase de detalhe para uma fase em que a fluidez do processo é a coisa mais importante”, salientou o coordenador da task force, para quem esta segunda fase do plano de vacinação “tem como objetivo libertar a economia e libertar os portugueses deste vírus”.

Gouveia e Melo adiantou ainda que Portugal está a vacinar já a ritmo “muito acelerado”, face às vacinas que tem disponíveis, o que faz com que o stock deste fármaco seja apenas o “mínimo de reserva para garantir as segundas doses mais imediatas”.

“Nós estamos a passar da fase de menor disponibilidade de vacinas, em que a grande preocupação era concentrar as vacinas nas pessoas mais frágeis, para uma fase de maior disponibilidade, em que a preocupação é libertar as pessoas desta pandemia e libertar a economia”, salientou o responsável da task force.

Segundo disse, esta segunda fase do plano vai obrigar a uma capacidade de agendar “100 mil pessoas todos os dias de forma correta e sem falhas”, o que levou à criação de um sistema de autogendamento da vacinação, “evitando ser o sistema central a encontrar as pessoas” para serem vacinadas.

“Este é um processo complexo por dois fatores que se unem: a necessidade de criar um processo massivo, em que temos de dar 20 milhões de injeções, e também pelo facto de ser urgente, face ao curto espaço de tempo em que queremos fazer isso”, disse.

Depois de admitir que os “ziguezagues” que se verificaram com algumas vacinas, como é o caso da AstraZeneca, “retiram confiança na população no processo de vacinação”, Gouveia e Melo adiantou que a task force tem desenvolvido um trabalho de “comunicar, planear e organizar o processo” de vacinação.

“Eu, que sou um submarinista e que não gosto de andar à superfície – gosto de andar debaixo de água escondido -, agora, infelizmente para mim, tenho de estar permanentemente na televisão a explicar coisas e a comunicar”, disse.

Segundo anunciou hoje a Direção-Geral da Saúde, mais de dois milhões de pessoas já receberam a primeira dose da vacina contra a covid-19, o que equivale a 20% da população portuguesa.

Um total de 2.015.225 pessoas já tomaram a primeira dose, enquanto 689.329, que representam 7% da população, já têm a vacinação completa contra o vírus SARS-CoV-2.

Em Portugal, morreram 16.951 pessoas dos 831.645 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Ler mais
Recomendadas

Índia com mais de 400 mil infeções pelo quinto dia consecutivo

A Índia registou este domingo mais de 400 mil novas infeções de Covid-19, pelo quinto dia consecutivo, e reportou mais de 4.000 óbitos diários, pelo segundo dia consecutivo, anunciou o Ministério da Saúde do país.

Linha SNS24 continuará a ser gratuita depois da pandemia

O número de apoio ao cidadão permanece gratuito apesar da legislação em vigor obrigar a que o número seja alterado do “prefixo 808 por um número especial, assegurando a sua total gratuitidade para os utentes”, indica o artigo 9.º da Lei n.º º 7/2020, de 10 de abril.

PremiumBrasil e Índia estão a enfrentar o pior da pandemia

Dois países distantes um do outro, mas que convergem em termos de várias caraterísticas endógenas às suas sociedades, são os epicentros dos piores dias da catástrofe sanitária que assola o mundo. Com cada um deles a tentar desenvencilhar-se das suas próprias incapacidades e a ajuda internacional a não poder chegar a todo o lado, a única estratégia parece ser esperar que o pior passe. E, como não podia deixar de ser, o pior da alma humana já está em campo.
Comentários