Vai pedir um crédito? Cinco factores que o banco avalia

Quando pede um crédito existem alguns factores que as instituições bancárias levam em consideração para decidir a concessão do mesmo.

Cofre no Banco de Portugal

Seja num crédito habitação, seja num crédito pessoal, existem critérios através dos quais as instituições bancárias avaliam os mesmos. Segundo o portal Compara Já, existem cinco factores importantes:

Idade

A idade é considerada um fator de risco e pesa na decisão do banco conceder um crédito. Alguém demasiado jovem levanta dúvidas à identidade bancária sobre a capacidade de cumprir os pagamentos, até por muitas vezes ainda se encontrar no primeiro emprego.

Taxa de esforço

A estabilidade financeira e profissional é avaliada pelas entidades bancárias, aumentando as probabilidades de ver um crédito concedido se demonstrar um percurso estável. É neste âmbito que é considerada a taxa de esforço, variando esta consoante o rendimento, os encargos e o montante solicitado.

Habitação própria

Este fator tem uma grande relevância na avaliação sobre a concessão de crédito, recordando o portal Compara Já, que ter um crédito habitação “passa a ser visto como tendo capacidade de pagamento das prestações e como sendo um indivíduo responsável”.

Histórico

As instituições bancárias confirmam histórico do cliente junto ao Banco de Portugal (BdP), para verificar se está incluído na “lista negra”, ou seja, se está em dever de incumprimento em algum outro empréstimo ou impedimentos legais.

Relação com o cliente

A relação do cliente com o banco é importante na medida que permite traçar um perfil do mesmo, conhecendo a tendência de cumprimento de pagamentos ou não dentro de prazos.

 

Ler mais
Recomendadas

Santander Totta financia operações de PME no valor de 4,3 mil milhões

O Santander Totta anuncia a liderança nas linhas de crédito protocoladas com a PME Investimentos com 43.234 operações contratadas. A totalidade das linhas de crédito protocoladas com a PME Investimentos, até novembro de 2018, somam um total de 4.323 milhões de euros.

Lucro do Sistema de Indemnização aos Investidores cai 152% para 864 mil euros

O resultado líquido caiu em 2017, mas os ativos do fundo subiram 5,5%. “No balanço, destacam-se, no ativo, os meios financeiros líquidos, que totalizavam 11.480.988 euros (11,5 milhões), acima dos 10.939.010 euros (10,9 milhões) em 2016”, lê-se no relatório e contas publicado pela CMVM.

Associação diz que 150 emigrantes da Venezuela não estão abrangidos nas “soluções para os lesados”

Para o caso destes 150 ex-clientes do Banco Espirito Santo e das Suas sucursais financeiras no exterior, a solução encontrada para os outros lesados do BES e agora para os lesados do Banif, não os inclui, diz a ABESD – Associação de Defesa de Clientes Bancários.
Comentários