Vírus já ultrapassou os 380 mil mortos e os 6,4 milhões de infetados no mundo

A pandemia do novo coronavírus já matou 382.016 pessoas e infetou mais de 6,4 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP, às 19:00 GMT desta quarta-feira, baseado em dados oficiais dos países.

De acordo com os dados recolhidos pela agência noticiosa francesa, às 19:00 GMT (20:00 de Lisboa) de hoje 6.440.940 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro passado na província chinesa de Wuhan, dos quais pelo menos 2.768.700 são agora considerados curados.

Porém, a AFP avisa que o número de casos diagnosticados reflete apenas uma fração do total real de infeções, já que alguns países estão a testar apenas casos graves que levam a internamento hospitalar, outros usam o teste como uma prioridade para o rastreamento e muitos estados pobres têm capacidade limitada de rastreamento.

Desde a contagem realizada às 19:00 GMT de terça-feira, 4.753 novas mortes e 120.242 novos casos ocorreram em todo o mundo.

Os países com mais mortes nas últimas 24 horas são o Brasil, com 1.262 novas mortes, os Estados Unidos (1.052) e o México (470).

Os Estados Unidos, que tiveram a sua primeira morte ligada ao coronavírus no início de fevereiro, são o país mais afetado em termos de número de óbitos e de casos, com 106.696 mortes para 1.841.471 casos.

Pelo menos 463.868 pessoas foram declaradas curadas até hoje pelas autoridades norte-americanas.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Reino Unido, com 39.728 óbitos e 279.856 casos, a Itália, com 33.601 mortes (233.836 casos), o Brasil, com 31.199 mortes (555.383 casos) e a França, com 29.021 mortes. (188.674 casos).

Entre os países mais atingidos, a Bélgica continua a ser o que apresenta maior número de mortos face à sua população, com 82 óbitos por cada 100.000 habitantes, seguido pelo Reino Unido (59), Espanha (58), Itália (56) e Suécia (45).

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau), onde a epidemia começou no final de dezembro, contabilizava hoje oficialmente um total de 83.021 casos (1 novo entre terça-feira e hoje), incluindo 4.634 mortes (0 novas) e 78.314 curas.

A Europa totalizava às 19:00 GMT de hoje 180.875 mortes e 2.201.170 casos, os Estados Unidos e o Canadá 114.154 mortes (1.933.881 casos), a América Latina e Caraíbas 55.510 mortes (1.104.571 casos), a Ásia 17.391 óbitos (598.331 casos), o Médio Oriente 9.900 mortes (434.110 casos), África 4.555 mortes (160.282 casos) e a Oceânia 131 mortes (8.599 casos).

Esta avaliação foi realizada usando dados coletados pelos escritórios da AFP junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A AFP alerta que devido a correções pelas autoridades ou a publicação tardia dos dados, os números de aumento de 24 horas podem não corresponder exatamente aos publicados no dia anterior.

Portugal, com 1.447 mortes registadas e 33.261 casos confirmados é o 24.º país do mundo com mais óbitos e o 29.º em número de infeções.

Ler mais
Recomendadas

Medição de temperatura pode criar “constrangimentos” no aeroporto de Lisboa

A ANA reconhece que a medição da temperatura dos passageiros pode causar “alguns constrangimentos em momentos de maior concentração” de voos de chegada no aeroporto de Lisboa.

Bill Gates pede que fármaco contra Covid-19 seja distribuído “entre quem mais precisa” e não ao “maior licitador”

“Precisamos que os líderes tomem essas decisões difíceis sobre a distribuição com base no património, e não apenas em fatores orientados pelo mercado”, explicou numa conferência que tinha a Covid-19 como tema central do debate.

Empresários alemães antecipam “desastre económico ” com Brexit sem acordo

Os empresários alemães consideraram hoje que se não houver “regras claras” relativamente ao comércio de mercadorias após o ‘Brexit’, haverá um “desastre económico” para as empresas do país.
Comentários