‘Web Talk’ JE e Huawei: “Marcas fortes como o Expresso e o Jornal Económico vão ter um papel importante”, perspetiva CEO do Grupo Impresa

CEO da Impresa destacou uma procura incessante por informação por parte do público nesta altura da pandemia. A tecnologia promete continuar a revolucionar os setores de Media e Entretenimento nos próximos anos e esse foi o tema em debate na Web Talk “Media & Entretenimento” inserida no ciclo de conferências online “A Step into the Future”, organizada pelo Jornal Económico e pela Huawei Portugal.

Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa.

A criação do smartphone, entre 2008 e 2009, tornou o ser humano mais móvel e permitiu também a adoção da prática do teletrabalho, que esteve em destaque, e ainda se mantém, durante a pandemia da Covid-19. Esta foi uma das ideias principais que deixadas por Francisco Pedro Balsemão na Web Talk sobre “Media e Entretenimento” desta sexta-feira, 24 de julho, organizada pelo Jornal Económico em parceira com a Huawei Portugal, no âmbito do ciclo ‘A Step Into de Future’.

Questionado sobre a possibilidade da existência do teletrabalho “há 10 ou 15 anos”, o CEO do grupo Impresa assume algumas dúvidas, acrescentando que “estamos culturalmente preparados” para este tipo de trabalho no presente, uma vez que “foi um processo que começou há 10 ou 12 anos com a criação do smartphone, quando começou a andar no nosso bolso” e criou diversas ferramentas portáteis.

“Diria que, no nosso caso, que somos uma empresa que tem uma estrutura bastante heterogénea, tivemos pessoas que não puderam ir para casa no confinamento, que são os chamados soldados na linha da frente, porque são os que trabalham na redação, onde não é possível ter toda a gente em casa”, assumiu Francisco Pedro Balsemão, acrescentando que existiu um “movimento híbrido em que uns ficaram e outros foram para casa”.

“Deixa-me dizer-te que esta situação do teletrabalho me preocupa, porque no meu caso em particular, é importante termos a intervenção e interação presencial e, em termos culturais, acho que uma empresa de media não vive sem, no mínimo, haver trabalho híbrido com todos os temas positivos e as mais valias que traz o teletrabalho porque, de facto, permite maior eficácia”, exemplificando que “as reuniões são muito mais curtas” através das plataformas, e por as pessoas não perderem tempo nas deslocações para o local de trabalho. “Vamos ter de encontrar um equilíbrio entre as duas formas de trabalhar”, sustentou o CEO do grupo dono da SIC e Expresso.

Grupos de media mais eficientes

Sobre a forma como a tecnologia é decisiva e pode ajudar um grande grupo de media a ser mais eficiente no negócio e operação, Francisco Pedro Balsemão aponta que o tema da tecnologia não é algo que tenha surgido com a pandemia e que “já há muito tempo se falava da transformação digital nas empresas”, sendo que o que se tem verificado atualmente é a “necessidade de acelerar essa transformação”.

No caso da Impresa, contrariamente aos espetáculos, o grupo de media observou a uma procura incessante por informação por parte do público. “Tivemos as pessoas a aceder de forma maciça àquilo que são os nossos produtos, e o consumo de televisão disparou, os conteúdos digitais dispararam e batemos recordes em várias frentes diferentes”, explicou.

“O que sinto é o acelerar de uma tendência que já existia. Ou seja, esta tendência para multi-plataformas para aquilo que os consumidores já sentiam antes, essa necessidade de consumir informação, entretenimento em multi-plataforma, que só veio acelerar esse padrão”, sustentou na sua intervenção. Um dos exemplos do CEO foi as pessoas mais velhas a migrarem para o digital, onde “se tornaram muito mais sofisticadas na utilização de ferramentas digitais” e pessoas mais jovens a retomarem o “contacto com aquilo que é a televisão linear, com informação mais credível que surge dos canais de televisão e dos noticiários”.

Francisco Pedro Balsemão destacou ainda o crescimento da imprensa escrita durante a pandemia. “Estamos quase com 39 mil assinantes digitais, que é um número fantástico, e isso foi um aumento que se viu na pandemia e curiosamente não sofremos uma erosão nas vendas em banca, até estamos a subir”, sustentou. “Isso mostra que marcas fortes, como o Expresso e o Jornal Económico vão ter um papel importante e preponderante”, disse na intervenção.

Algo evidenciado pela pandemia foi a produção de conteúdos para clientes “numa lógica B2B [Business to Business]”. Se antes a aposta era nos eventos presenciais, os clientes “tiveram de adaptar para o digital” e isso significa “um investimento muito importante” para as duas partes envolvidas.

Ler mais
Relacionadas

‘Web Talk’ JE e Huawei: “Há aqui uma oportunidade muito grande para entrar na área ‘direct to consumer'”, realça Francisco Pedro Balsemão

Francisco Pedro Balsemão, CEO da Impresa, mencionou a enorme importância de desenvolver plataformas de streaming que possam adaptar-se ao gosto do consumidor. A tecnologia promete continuar a revolucionar os setores de Media e Entretenimento nos próximos anos e esse foi o tema em debate na Web Talk “Media & Entretenimento” inserida no ciclo de conferências online “A Step into the Future”, organizada pelo Jornal Económico e pela Huawei Portugal.

‘Web Talk’ JE e Huawei: “Espetáculo ao vivo é único e insubstituível. Tecnologia não substitui isso”

Álvaro Covões, diretor-geral da Everything is New, mostrou-se muito cético com a forma como a tecnologia pode substituir os espetáculos ao vivo. A tecnologia promete continuar a revolucionar os setores de Media e Entretenimento nos próximos anos e esse foi o tema em debate na Web Talk “Media & Entretenimento” inserida no ciclo de conferências online “A Step into the Future”, organizada pelo Jornal Económico e pela Huawei Portugal.

‘Web Talk’ JE e Huawei: “Targets mais jovens tiveram mais contacto com noticiários nesta pandemia”, realça Francisco Pedro Balsemão

Francisco Pedro Balsemão, CEO da Impresa, considerou que os media têm um desafio que passa por não serem “bafientos” mas que ao mesmo tempo não desistam da sua missão de informar. A tecnologia promete continuar a revolucionar os setores de Media e Entretenimento nos próximos anos e esse foi o tema em debate na Web Talk “Media & Entretenimento” inserida no ciclo de conferências online “A Step into the Future”, organizada pelo Jornal Económico e pela Huawei Portugal.

‘Web Talk’ JE e Huawei. Do bailado a concertos: a aproximação do artista ao digital como forma de promoção

Os cinco sentidos são aguçados com experiências, mas a pandemia da Covid-19 obrigou a uma adaptação e migração dos espetáculos para o mundo digital. A experiência correu bem e aproximou os artistas do seu público, mas “nada substitui um espetáculo ao vivo”, disse Álvaro Covões. A tecnologia promete continuar a revolucionar os setores de Media e Entretenimento nos próximos anos e esse foi o tema em debate na Web Talk “Media & Entretenimento” inserida no ciclo de conferências online “A Step into the Future”, organizada pelo Jornal Económico e pela Huawei Portugal.

‘Web Talk’ JE e Huawei: Conteúdos de media e entretenimento moldados pela inovação da tecnologia

O jornalismo e o entretenimento começaram a ser feitos sem recurso a uma caixa televisiva, mas a tecnologia criada há 50 anos permitiu que entrassem em todos os lares. Hoje, a evolução tecnológica continua a moldar a forma como os conteúdos são produzidos e percecionados. A tecnologia promete continuar a revolucionar os setores de Media e Entretenimento nos próximos anos e esse foi o tema em debate na Web Talk “Media & Entretenimento” inserida no ciclo de conferências online “A Step into the Future”, organizada pelo Jornal Económico e pela Huawei Portugal.

A tecnologia vai revolucionar os Media? Veja a ‘Web Talk’ JE/Huawei Portugal “Media & Entretenimento”

As novas formas de consumo de entretenimento, de produção e transmissão, assim como as novas tendências nos eSports, cloud gaming, cloud VR e quais as mudanças que se esperam no embate entre Online, Offline e experiências híbridas, serão alguns dos temas em debate. Assista à ‘Web Talk’.
Recomendadas

Espanha regista mais de 14 mil novas infeções por Covid-19 e 90 mortes num dia

Madrid continua a ser a comunidade autónoma com o maior número de infeções, tendo registado mais 5.086 do que o número notificado na terça-feira, o que significa mais de 35% da evolução nacional.

“É importante evitar manifestações de massas”, alerta Presidente da República

Sem querer especificar situações como os ajuntamentos no Santuário de Fátima, Marcelo Rebelo de Sousa referiu que “é importante não juntar novos fatores de contágio, seja manifestações de massas ou outras menos expressivas”.

Moderna quer produzir 20 milhões de doses da vacina contra o Covid-19 até ao final de 2020

Atualmente, não há vacinas contra o Covid-19 aprovadas pelos reguladores dos EUA, embora algumas já se encontrem na fase final de testes para provar que são seguras e eficazes.
Comentários