3,9 mil milhões de pessoas: Mais de metade da população mundial está ‘online’

Segundo estimativas da União Internacional de Telecomunicações (UIT), uma agência da ONU, 51,2% da população mundial estará conectada à internet até ao final de 2018.

A Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou hoje que cerca de 3,9 mil milhões de pessoas em todo o mundo estão ligadas à Internet, o que significa que, pela primeira vez, mais de metade da população mundial está conectada.

Segundo estimativas da União Internacional de Telecomunicações (UIT), uma agência da ONU, 51,2% da população mundial estará conectada à internet até ao final de 2018.

“Este é um passo importante rumo a uma sociedade de informação global mais inclusiva”, declarou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhou, em comunicado.

Contudo, Houlin Zhou lembrou que “muitas pessoas em todo o mundo estão ainda à espera de colher os benefícios da economia digital e apelou para que “a revolução digital não deixe ninguém desconectado”.

Segundo a UIT, os países mais ricos estão a registar um crescimento lento, mas regular, com 80,9% da população atualmente conectada, contra 51,3% em 2005.

Os ganhos foram mais espetaculares nos países em desenvolvimento, onde atualmente 45,3% da população está conectada, comparativamente com 7,7% há 13 anos.

Segundo os dados da UIT, África é a região com maior crescimento, com 24,4% da população ligada, em comparação com 2,1% em 2005.

O relatório mostra igualmente que o número de assinaturas de linhas fixas continua a diminuir em todo o mundo, enquanto a quantidade de assinaturas móveis é agora maior do que a população mundial.

O número de assinaturas de banda larga móvel disparou de quatro por cada 100 habitantes em 2007 para as atuais 69,3.

Atualmente existem 5,3 mil milhões de assinaturas ativas de banda larga móvel em todo o mundo, segundo a UIT, que indica ainda que 96% da população mundial está coberta por uma rede de comunicações móveis.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Angola arrisca-se a cair para quinta maior economia de África

A Bloomberg Intelligence alertou que novas desvalorizações do kwanza, no seguimento do acordo com o FMI, podem fazer com que Angola caia para o quinto lugar das maiores economias da África subsariana.

Moody’s: “Política monetária permanecerá altamente acomodatícia”

Vice-presidente da agência de notação financeira Moody’s, Madhavi Bokil, defendeu que o “momento da normalização da taxa de juros dependerá das perspectivas de crescimento”.

Parlamento Europeu quer imposto sobre serviços digitais mais ambicioso

A decisão final terá de ser tomada por unanimidade no Conselho.
Comentários