Bombeiros vão ser vacinados a seguir aos lares, anuncia Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República anunciou esta evolução no plano de vacinação na visita à sede dos Bombeiros Voluntários do Dafundo.

Rui Ochoa / Presidência da República / Lusa

O Presidente da República e candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa anunciou esta tarde na sede dos Bombeiros Voluntários do Dafundo que os bombeiros vão ser vacinados contra a Covid-19 a seguir ao pessoal dos lares.

“Como estamos na transição da vacinação dos lares para os serviços essenciais, a vacinação para os bombeiros vai avançar em simultâneo com as forças de segurança e uma parte das forças armadas. Há uma aceleração no que diz respeito aos bombeiros”, anunciou o Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa revelou ainda que o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, “percebeu o que sentiam os bombeiros, quando estas forças também transportam doentes. Pela proteção deles e das comunidades que servem”.

O Presidente da República considera que a sociedade “muitas vezes não tem presente a importância dos bombeiros no transporte dos doentes Covid e não Covid. É importante que estejam equiparados ao pessoal do INEM”.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Profissionais de saúde começam hoje a receber segunda dose da vacina

Segundo uma nota do Ministério da Saúde, começam a ser administradas as segundas doses das vacinas contra a covid-19 aos quase 30 mil profissionais de saúde de contextos prioritários de hospitais e cuidados de saúde primários.

Bombeiros consideram “injusto” ainda não terem sido vacinados

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses disse hoje que há cerca de 400 bombeiros infetados com covid-19, classificando de “injusto” os bombeiros continuarem sem ser vacinados apesar de transportarem doentes com o novo coronavírus.
Recomendadas

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.

OMS reclama isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

“Agora é o momento de usar todas as ferramentas para aumentar a produção, incluindo licenciamento, transferência de tecnologia e isenções de propriedade intelectual. Se não é agora, quando?”, questionou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
Comentários