CDS-PP lamenta recusa de Pedro Nuno Santos em vir à Madeira esclarecer declarações sobre TAP

Os centristas defendem que em termos políticos justifica-se a vinda do ministro à Madeira. “O ministro disponibilizou-se para o fazer mas, logo depois refugiou-se num parecer consultivo da Procuradoria Geral da Republica para não vir à região por não ter que justificar aos parlamentos regionais qualquer afirmações que tem proferido relativamente à TAP”, disse Lopes da Fonseca, deputado do CDS-PP.

O CDS-PP criticou a opção de Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e Habitação, em vir à Madeira esclarecer as “declarações ofensivas” que fez sobre a TAP, ao dizer que se a companhia não voltasse ao erário público os madeirenses iriam “comer e calar” os preços das viagens.

“Do ponto de vista político, justificar-se-ia a vinda do Senhor Ministro à Madeira e o mesmo disponibilizou-se para o fazer mas, logo depois refugiou-se num parecer consultivo da Procuradoria Geral da Republica para não vir à região por não ter que justificar aos parlamentos regionais qualquer afirmações que tem proferido relativamente à TAP”, disse Lopes da Fonseca, deputado do CDS-PP.

O centrista reforça se do ponto de vista jurídico pode fazer algum sentido esta ausência, já em termos políticos não existe nenhuma razão para Pedro Nuno Santos não deva responder às declarações que fez sobre a TAP, e de endereçar um pedido de desculpas aos madeirenses.

Recomendadas

Atividades turísticas na Madeira só retomam a normalidade em setembro

Para as embarcações com lotação até 60 passageiros é admitida a ocupação até 70% da sua capacidade, até ao final do próximo mês de junho, 90% durante o mês de julho, e sem qualquer restrição de lotação, a partir do mês de agosto do corrente ano.

Madeira: JPP quer faseamento do IMI em cinco prestações

“Acreditamos que esta é uma forma de apoio direto a estas famílias e representa um alívio no pagamento do imposto que mais pesa sobre a carteira dos contribuintes”, refere Rafael Nunes.

Habitação valoriza 0,8% na Madeira

Em abril a avaliação bancária da habitação atingiu os 1.147 euros por metro quadrado, o que torna a Madeira a terceira região do país com o valor mais elevado, atrás da Área Metropolitana de Lisboa e do Algarve.
Comentários