Cofina admite lançar OPA à Media Capital

Sobre os moldes do negócio, a Cofina “prevê adquirir à Prisa a totalidade do capital social na Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), sociedade comercial através do qual a Prisa detém ações representativas de 94,69% do capital social e dos direitos de voto da Media Capital, ao invés de proceder diretamente à aquisição da participação na Media Capital.

A Cofina esclareceu esta sexta-feira a CMVM sobre as negociações para adquirir a Media Capital em virtude da suspensão de negociações das ações do grupo de comunicação e indicou que admite lançar uma OPA à Media Capital. “Caso as negociações com a Prisa sejam concluídas com a celebração de um contrato de compra e venda, a Cofina procederá simultaneamente à divulgação de um anúncio preliminar de oferta pública de aquisição sobre as ações remanescentes da Media Capital”, pode ler-se no comunicado.

“A Cofina e a Prisa encontram-se atualmente a negociar, em regime de exclusividade que vigora durante um período de 30 dias, que pode ser prorrogado por vontade das partes, os termos e condições de uma potencial aquisição, pela Cofina, da participação da Prisa na Grupo Media Capital SGPS, S.A. (“Media Capital”)”, realça a Cofina no comunicado remetido esta sexta-feira à CMVM.

Sobre os moldes do negócio, a Cofina “prevê adquirir à Prisa a totalidade do capital social na Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), sociedade comercial através do qual a Prisa detém ações representativas de 94,69% do capital social e dos direitos de voto da Media Capital, ao invés de proceder diretamente à aquisição
da participação na Media Capital”. De resto a Cofina indica que, neste contexto, está a rever documentação para “concretizar definitivamente o objeto do negócio e, correspondentemente, a respetiva avaliação”.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) anunciou na passada quarta-feira à tarde que suspendeu a negociação das ações da Cofina. O conselho de administração do regulador dos mercados impediu a empresa que detém o “Correio da Manhã” e o “Jornal de Negócios” de manter os seus títulos a negociar na Bolsa de Lisboa pouco tempo depois de vir a público que o grupo de comunicação social irá comprar a TVI.

 

 

Ler mais
Relacionadas

PremiumCofina quer ganhar escala com compra da Media Capital

Fusão daria origem ao maior grupo do setor em Portugal, com receitas superiores a 270 milhões. Mas alguns ativos poderão ser vendidos.

Prisa confirma negociações “em regime de exclusividade” com Cofina pela Media Capital

A Prisa e a Cofina encetaram conversações no final de julho para uma possível compra da participação do conglomerado de media espanhol na Media Capital por parte da holding detida por Paulo Fernandes. As negociações estão, oficialmente, confirmadas por ambas as partes.

Cofina confirma que “estão a decorrer negociações” com a Prisa

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa indica que as negociações dizem respeito “à potencial aquisição da participação da Prisa no Grupo Media Capital”.
Recomendadas

Sonae diz-se preocupada com o ‘Luanda Leaks’

O grupo cruza interesses com Isabel dos Santos na NOS e por pouco não aumentou a exposição às parcerias com a empresária angolana através da ida dos hipermercados para aquele país africano.

Grupo Vila Galé confirma desistência do projeto de Una na Bahia

“Nunca houve ali indígenas, nunca ali houve uma reserva indígena, não há, nem vai haver, como vão ver daqui a pouco tempo, quando surgir a decisão final”, garantiu Jorge Rebelo de Almeida reagindo às notícias de que o projeto iria inviabilizar uma reserva de indígenas brasileiros.

Vila Galé vai investir 45 milhões e abrir mais três hotéis em 2020

Com a abertura destas três unidades hoteleiras e a ampliação do Vila Galé Douro Vineyards, o grupo irá aumentar a sua oferta em 318 quartos – atualmente gere mais de 7.500 quartos – elevando de 34 para para 37 hotéis em Portugal (27) e no Brasil (dez).
Comentários