Cofina admite lançar OPA à Media Capital

Sobre os moldes do negócio, a Cofina “prevê adquirir à Prisa a totalidade do capital social na Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), sociedade comercial através do qual a Prisa detém ações representativas de 94,69% do capital social e dos direitos de voto da Media Capital, ao invés de proceder diretamente à aquisição da participação na Media Capital.

A Cofina esclareceu esta sexta-feira a CMVM sobre as negociações para adquirir a Media Capital em virtude da suspensão de negociações das ações do grupo de comunicação e indicou que admite lançar uma OPA à Media Capital. “Caso as negociações com a Prisa sejam concluídas com a celebração de um contrato de compra e venda, a Cofina procederá simultaneamente à divulgação de um anúncio preliminar de oferta pública de aquisição sobre as ações remanescentes da Media Capital”, pode ler-se no comunicado.

“A Cofina e a Prisa encontram-se atualmente a negociar, em regime de exclusividade que vigora durante um período de 30 dias, que pode ser prorrogado por vontade das partes, os termos e condições de uma potencial aquisição, pela Cofina, da participação da Prisa na Grupo Media Capital SGPS, S.A. (“Media Capital”)”, realça a Cofina no comunicado remetido esta sexta-feira à CMVM.

Sobre os moldes do negócio, a Cofina “prevê adquirir à Prisa a totalidade do capital social na Vertix, SGPS, S.A. (“Vertix”), sociedade comercial através do qual a Prisa detém ações representativas de 94,69% do capital social e dos direitos de voto da Media Capital, ao invés de proceder diretamente à aquisição
da participação na Media Capital”. De resto a Cofina indica que, neste contexto, está a rever documentação para “concretizar definitivamente o objeto do negócio e, correspondentemente, a respetiva avaliação”.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) anunciou na passada quarta-feira à tarde que suspendeu a negociação das ações da Cofina. O conselho de administração do regulador dos mercados impediu a empresa que detém o “Correio da Manhã” e o “Jornal de Negócios” de manter os seus títulos a negociar na Bolsa de Lisboa pouco tempo depois de vir a público que o grupo de comunicação social irá comprar a TVI.

 

 

Ler mais
Relacionadas

PremiumCofina quer ganhar escala com compra da Media Capital

Fusão daria origem ao maior grupo do setor em Portugal, com receitas superiores a 270 milhões. Mas alguns ativos poderão ser vendidos.

Prisa confirma negociações “em regime de exclusividade” com Cofina pela Media Capital

A Prisa e a Cofina encetaram conversações no final de julho para uma possível compra da participação do conglomerado de media espanhol na Media Capital por parte da holding detida por Paulo Fernandes. As negociações estão, oficialmente, confirmadas por ambas as partes.

Cofina confirma que “estão a decorrer negociações” com a Prisa

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa indica que as negociações dizem respeito “à potencial aquisição da participação da Prisa no Grupo Media Capital”.
Recomendadas

Telefónica analisa compra parcial da Oi, avaliada em 6 mil milhões

A Oi é detida em cerca de 5% pela Bratel da portuguesa Pharol, ex-PT SGPS, que por sua vez tem como acionista o Novo Banco com ​9,56%. E o BCP tem poder para vender os 9,99% da High Bridge por conta de uma dívida bancária não paga.

ASF aprova norma que estabelece qualificação adequada para vendedores de seguros

A ASF entende que o reforço da qualificação “em impacto na qualidade da prestação de serviços, na diminuição da conflitualidade e do número de reclamações, o que, por seu turno, acarreta consequências positivas em termos reputacionais e da imagem do setor”.

Portugal vai “perder 200 milhões de euros num ano” mas Altice não vai “estorvar” compra da TVI

O processo de compra da dona da TVI pela Altice, por 440 milhões de euros, caiu por terra em junho do ano passado, quando o grupo espanhol Prisa, dono da Media Capital, confirmou a desistência do negócio. Hoje Alexandre Fonseca voltou a criticar a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante meses não se ter pronunciado sobre o negócio.
Comentários