Dá o seu NIF para se identificar? Não o faça, alerta Provedora de Justiça

A Provedora de Justiça alerta para solicitação indevida do NIF para efeitos de identificação nomeadamente por parte de entidades públicas e municípios. E esclarece: o número de identificação fiscal não pode ser pedido para efeitos de identificação e registo dessas entidades, pois destina-se exclusivamente ao tratamento de informação fiscal ou aduaneira.

A Provedora de Justiça tem recebido diversas queixas de cidadãos que se opõem a facultar o Número de Identificação Fiscal (NIF) para identificação e registo nas bases de dados de entidades públicas, designadamente de municípios. Maria Lúcia Amaral que o número de contribuinte é destinado exclusivamente ao tratamento de informação fiscal ou aduaneira e não pode ser exigido como meio obrigatório de identificação noutras situações.

“Esta situação motivou a tomada de posição da Provedora de Justiça, explicitando que o NIF é um número sequencial destinado exclusivamente ao tratamento de informação de índole fiscal e aduaneira, não podendo ser exigido como meio obrigatório de identificação nas demais situações”, avança a provedora em com comunicado.

De acordo com Maria Lúcia Amaral, se um município ou outra entidade pública pretende identificar o seu interlocutor, terá de o fazer por via do número de identificação civil ou passaporte.

Na sequência da intervenção da Provedora de Justiça, acrescenta o comunicado, vários municípios dispuseram-se a alterar o procedimento de identificação e registo, em conformidade com o decreto lei de 2013 que sistematiza e harmoniza a legislação referente ao Número de Identificação Fiscal. Um diploma que prevê que o NIF” é um número sequencial destinado exclusivamente ao tratamento de informação de índole fiscal e aduaneira, devendo ser gerado de forma automática em conformidade com as disposições constantes do presente diploma”.

Recomendadas

Sonae MC encaixa 28 milhões com venda da propriedade do Rio Sul

Operação de venda de venda dos terrenos e infraestruturas do centro comercial Rio Sul, no Seixal, e posterior arrendamento (‘sale & leaseback’), gerou mais-valias de 12 milhões de euros.

Associação de Hotelaria vai rever em baixa a previsão de 65 novos hóteis para 2019

Os números para 2019 de 65 novas unidades, das quais 23 na região de Lisboa e 17 no Porto e Norte, devem ser revistos para menos, tal como aconteceu em junho deste ano.

EDP aceita pagar contribuição extraordinária de energia

Energética terá aceite pagar a Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético (CESE), que deixou de pagar desde 2007.
Comentários