Revolut mente em campanha publicitária e está a ser investigada pelo regulador britânico

O caso está agora a ser investigado pela reguladora britânica da indústria publicitária, a Advertising Standards Authority (ASA), que admitiu ter recebido queixas sobre a campanha de publicidade da Revolut, na qual se liam factos inventados e que pressuponham, erroneamente, que a fintech conseguiria ter (ainda mais) acesso sobre as transações dos clientes.

A Revolut admitiu ter inventado as estatísticas utilizadas num campanha publicitária exposta no metro de Londres, noticia o Financial Times (FT). No anúncio, a fintech afirmou que 11.867 clientes compraram salsichas vegan no último mês e que, no último dia dos namorados, milhares de clientes encomendaram refeições para takeaway.

Contactado pelo FT, o porta-voz da Revolut admitiu que os números utilizados foram “inventados”. A Revolut apenas consegue ter acesso ao valor despendido pelos utilizadores, mas não em que produtos ou serviços, à semelhança de outras fintech.

O caso está agora a ser investigado pela reguladora britânica da indústria publicitária, a Advertising Standards Authority (ASA), que admitiu ter recebido queixas sobre a campanha de publicidade da Revolut, na qual se liam factos inventados e que pressuponham, erroneamente, que a fintech conseguiria ter (ainda mais) acesso sobre as transações dos clientes.

A ASA disse que irá remeter o caso para a Financial Conduct Authority, o equivalente à Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários, em Portugal.

 

 

A Revolut tornou-se numas das fintech mais badaladas. Já no final de 2018, conseguiu obter uma licença bancária europeia. A fintech inglesa encontrou uma oportunidade de negócio quando passou a oferecer transações internacionais sem comissões, levantamentos nas caixas de multibanco e transferências bancárias, serviços que os bancos tradicionais cobram.

A Revolut disse que todos os dias angaria 10 mil novos clientes e que os quatro milhões de utilizadores que usam os serviços bancários da empresa gastam, no total, 5 mil milhões de dólares por mês.

 

Ler mais
Relacionadas

Revolut vai aceitar depósitos de salários dos portugueses

A fintech britânica, conhecida como “Amazon da banca”, atingiu os 100 mil clientes em Portugal e aproveitou a ocasião para anunciar que a aplicação vai “falar Português” e permitir depósitos.

Easypay: a fintech que não se quer tornar num banco

Numa só plataforma digital, a easypay concentra os meios de pagamento mais utilizados em Portugal. Uma vantagem numa altura em que se fala no abandono progressivo dos pagamentos em numerário.

Depois da Revolut, Google obtém licença para competir com bancos na Europa

A gigante tecnológica conquistou uma licença na Lituânia, que lhe dá permissão para atuar como fintech no Espaço Económico Europeu.

Google vai realizar transferências de dinheiro na União Europeia

A Google vai poder realizar transferências de dinheiro nos países da União Europeia depois da autorização concedida pelo Banco Central da Irlanda.

Como será o adeus anunciado às notas e moedas?

A revolução digital chegou aos métodos de pagamento e a diretiva PSD2 alargou a infraestrutura financeira a outras entidades que não têm de ser bancos. Pagar já não é o que era: agora é digital.
Recomendadas

Generali fecha compra da Tranquilidade por 600 milhões de euros

A Generali acaba de fechar a aquisição da Tranquilidade por um valor de 600 milhões de euros, avança a Bloomberg. A Apollo vai emitir um comunicado.

Autoridade da Concorrência defende que Banco de Portugal venha a ser uma entidade financiadora

Há um aspeto positivo, diz, que é o do “o BdP vir a ser incluído nas entidades que financiam a AdC” e, defende, “outras entidades poderiam ser consideradas”. O administrador da Autoridade da Concorrência (AdC) Nuno Rocha de Carvalho, disse esta quinta-feira na COFMA que a “breve trecho podemos vir a ter uma decisão no  processo de cartel na banca”.

Antonoaldo Neves: “Não é a primeira vez que a TAP paga prémios em anos de prejuízo”

A comissão executiva da TAP esta quinta-feira ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos.
Comentários