Guerra comercial provoca ziguezague em Wall Street

A falta de progresso nas negociações entre os EUA e a China nas reuniões desta semana, bem como o encurtar dos encontros, que vão terminar hoje, fez com que os futuros do S&P500 tenham caído cerca de 1%, o que deverá condicionar o dia de hoje.

Se na sessão de terça-feira o sentimento dos investidores foi fortemente condicionado pelo pessimismo quanto a um acordo comercial, com Wall Street a desvalorizar em média na ordem dos -1,5% e com todos os sectores no vermelho, na quarta-feira o cenário foi em sentido inverso, embora não com a convicção do dia anterior. Com efeito, não obstante a possibilidade de se chegar a um entendimento parcial no curto prazo ter sido desmentida por Trump, referindo que só aceita um acordo completo, Wall Street agarrou-se à esperança das partes atingirem um entendimento, parcial ou não, visto que Pequim, indiciou disponibilidade para acertar já algumas agulhas e de acordo com o Financial Times estar disposta a aumentar o volume anual de compras de natureza agrícola, se os EUA reduzirem as tarifas.

Mas apesar do aparente optimismo vivido na quarta-feira, o certo é que o sentimento continua bastante instável e os índices norte-americanos acabaram mesmo por ceder algum algum terreno já perto do final do dia, com a notícia de que a delegação chinesa estava agora menos confiante em conseguir alcançar um acordo. Nos sectores do S&P500 os activos refúgio registaram o desempenho menos entusiasmante, o que é normal num dia positivo, e depois de na sessão anterior terem sido o grupo que menos perdeu valor. No mercado cambial o U.S dólar manteve-se estável, dando espaço ao Euro para valorizar até aos $1.0973, enquanto que o Yen sentiu os efeitos da menor procura por segurança, recuando -0,4% para os 107.47. De realçar o facto curioso da subida de 0,1% no valor do Ouro, para os $1,506 por onça, não acusando uma pressão vendedora semelhante à do Yen, devido à falta de compradores de activos refúgio.

Já depois do fecho do mercado a notícia dada pelo South China Morning Post sobre a falta de progresso nas negociações entre os EUA e a China nas reuniões desta semana, bem como do encurtar dos encontros, que vão terminar hoje, fez com que os futuros do S&P500 tenham caído cerca de 1%, o que deverá condicionar o dia de hoje

O gráfico de hoje é do Ouro, o time-frame é Mensal

Tendo quebrado o canal ascendente a azul é importante para os Bulls do activo que um eventual teste à linha de quebra seja bem sucedido, o que abrirá espaço para uma subida até à zona dos $1,750 por onça.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street negoceia no vermelho contagiado pelos receios das congéneres europeias devido ao coronavírus

O Dow Jones perde 2,65%, para 28.223,53 pontos, o S&P 500 cai 2,56%, para 3.253,47 pontos, e o Nasdaq desvaloriza 2,89%, para 9.297,77 pontos.

Coronavírus: Petróleo negoceia em queda devido a riscos de propagação da epidemia

Cerca das 11:55 (hora de Lisboa) o barril de Brent do mar do Norte para entrega em abril negociava a 56,05 dólares no mercado de Londres, uma descida de 4,19% em relação ao preço de encerramento na sexta-feira.

Coronavírus coloca Wall Street à defesa

É expectável que exista uma resposta, talvez mesmo coordenada, de vários países e autoridades monetárias, o que poderá vir a suportar o mercado.
Comentários