Sonae aumenta lucros em 6,5% no primeiro trimestre

Paulo Azevedo, que entretanto deixou funções, afirma que, apesar do aumento significativo do nível de investimento total “a nossa estrutura de capitais permanece robusta”.

O grupo Sonae atingiu, no final do primeiro trimestre do ano, um volume de negócios consolidado de 1.461 milhões de euros, mais 8,9% que em igual período do ano passado, com o resultado líquido a acompanhar: cresceu 6,5%, para os 18,3 milhões de euros. A melhoria da rentabilidade, com o EBITDA subjacente a aumentar 15,6% para 105 milhões e o EBITDA a aumentar 33,4% para 136 são os destaques do período em análise.

Por outro lado, o investimento atingiu 116 milhões no trimestre, crescendo 64%, impulsionado por expansão orgânica e aquisições e a dívida líquida diminuiu 99 milhões de euros, em base comparável.

Paulo Azevedo, CEO da Sonae que está prestes a deixar o seu cargo, afirmou em comunicado que o grupo “teve um bom início de ano, apesar do efeito de calendário adverso com uma Páscoa tardia. O volume de negócios consolidado no primeiro trimestre aumentou 8,9% em termos homólogos, atingindo 1.461 milhões, com contributos positivos de praticamente todos os negócios, em particular da Sonae MC e da Sonae Sierra, cujos resultados são agora consolidados integralmente nas contas da Sonae”.

O EBITDA subjacente do grupo cresceu 15,6% em termos homólogos para 105 M€, com a Sonae MC a mostrar um desempenho particularmente positivo, e o EBITDA atingiu 136,1 M€, +34 M€ face ao 1T18, impulsionado tanto pelos resultados do método de equivalência patrimonial (nomeadamente Sonae Sierra e ISRG), como pela mais valia gerada na venda da Saphety pela Sonae IM, que continua a criar valor através de uma gestão ativa dos seus investimentos.

No que diz respeito à gestão de portefólio, este trimestre marcou a aquisição, pela Sonae MC, de uma participação de 60% na Arenal, que acreditamos poder reforçar significativamente a posição da Sonae MC no segmento de Health & Wellness, uma das nossas avenidas de crescimento.

“Apesar do aumento significativo do nosso nível de investimento total (mais 64% em termos homólogos), motivado sobretudo pela aquisição da Arenal, a nossa estrutura de capitais permanece robusta. O nosso nível de alavancagem continuou a diminuir em termos homólogos, tendo reduzido agora para 0,5x, e os nossos principais negócios continuam a apresentar níveis de dívida conservadores. A dívida total do grupo apresenta atualmente um perfil de maturidade mais longo e custos de financiamento mais baixos, mantendo deste modo as condições necessárias para suportar a execução das estratégias dos nossos negócios e a nossa política de remuneração acionista”.

Ler mais
Recomendadas

Facebook expande programa de ‘fact checking’ independente em Portugal

A rede social anuncia expansão do programa de fact-checking em Portugal com o Polígrafo.

PremiumAeroporto do Montijo só vai ter reserva de combustível para três dias

Resumo não técnico do estudo de impacto ambiental elenca cenários de ocorrência de acidentes graves envolvendo substâncias perigosas.

PremiumCrescimento das trotinetes é insustentável

O vereador da mobilidade da CML diz que a micromobilidade em Lisboa já vale mais de 50 milhões de euros, mas o novo general manager da Lime entende que há ‘players’ a mais. “É insustentável existirem nove concorrentes em Lisboa e 25 em Madrid”, diz.
Comentários