Morais Leitão apoia Violas na compra da dona da Super Bock

Os advogados Eduardo Verde Pinho e Fábio Castro Russo prestaram assessoria à aquisição ao BPI.

A Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados (MLGTS) assessorou juridicamente a Violas SGPS na compra de uma participação na Viacer, que controla a Super Bock.

O sócio Eduardo Verde Pinho (Comercial e Societário, Corporate Governance e M&A) e o associado principal Fábio Castro Russo (Comercial e Societário) prestaram assessoria jurídica à Violas na transação.

O Banco BPI anunciou na passada quinta-feira, 15 de fevereiro, que, em conjunto com o Fundo de Pensões da mesma instituição bancária, assinou um contrato de venda à Violas SGPS a sua participação de 25% da Viacer SGPS. O valor do negócio totalizou 233 milhões de euros.

Como consequência desta operação, o grupo português encabeçado pela Violas SGPS, aumentará a sua participação na Viacer de 46,5% para 71,5%, passando, indiretamente, a deter a maioria do capital social da Super Bock Group, SGPS, a maior empresa de cervejas portuguesa.

Relacionadas

Violas diz que compra de posições do BPI na Viacer inclui-se na estratégia de crescimento do grupo

“A celebração do referido contrato [com o BPI] encontra-se alinhada com a estratégia de crescimento do grupo Violas, como resulta, aliás, da circunstância de a Violas SGPS ser sócia da Viacer desde a constituição desta”, disse, em comunicado, a entidade.

Violas diz que compra de posição do BPI na dona do Super Bock decidiu-se em três semanas

O grupo Violas acordou, a 15 de fevereiro, a aquisição de uma participação de 25% na sociedade Viacer – Sociedade Gestora de Participações Sociais ao Banco BPI e ao Fundo de Pensões do Banco BPI, por 233 milhões de euros.
Recomendadas

A modernização “inevitável” de um setor tradicional como o da advocacia

Mesmo antes da aceleração que a pandemia promoveu, as sociedades de advogados de maior renome viviam já um processo de transição digital que facilitou a adaptação à advocacia remota.

O que dizem os advogados sobre a inovação na hora de servir o cliente

Líderes e responsáveis de inovação dos principais escritórios de advocacia em Portugal falam em compatibilidade entre deontologia e tecnologia, mas alertam para a necessidade de uma “sensabilidade acrescida” ou até de criação de comités para garantir o cumprimento dos deveres da profissão.

Premium‘Big Four’ afastadas da auditoria aos créditos a Luís Filipe Vieira

PwC estava a avaliar restruturação de créditos à Promovalor, mas como a firma audita contas do Benfica SAD, o Novo Banco terá de selecionar nova auditora.
Comentários