Onde estão os bancos quando precisamos?

O presidente-executivo da TAP esteve na Madeira para prestar esclarecimentos na Assembleia Regional, mas a visita de Antonoaldo Neves não serviu de muito, no que toca a apaziguar os ânimos nas relações entre a Região e a companhia aérea que, por decisão do atual Governo da República, continua a pertencer, em parte, a todos os portugueses.

O presidente-executivo da TAP esteve na Madeira para prestar esclarecimentos na Assembleia Regional, mas a visita de Antonoaldo Neves não serviu de muito, no que toca a apaziguar os ânimos nas relações entre a Região e a companhia aérea que, por decisão do atual Governo da República, continua a pertencer, em parte, a todos os portugueses.

No entanto, Antonoaldo Neves tem razão quando afirma que o problema não é o preço dos bilhetes da TAP, porque a operadora está inserida num mercado muito competitivo e tem de suportar custos de investimento e de manutenção que, de outra forma, terão de ser pagos pelos acionistas, incluindo o Estado. Isto ainda que haja de facto alguma margem para a companhia baixar os preços.

Como resolver então o problema? Tanto Antonoaldo Neves como o vice-presidente Pedro Calado já adiantaram uma solução: encontrar um banco ou intermediário financeiro que assegure o pagamento às companhias dos valores remanescentes dos bilhetes dos cidadãos residentes na Madeira, acertando depois contas com o Governo Regional. Esta solução é eventualmente a que melhor serve os interesses dos madeirenses, bem como o interesse da República.

O Governo Regional e o Executivo central têm obrigação de trabalhar em conjunto no sentido de encontrarem uma forma que resolva o problema, sem calculismos eleitorais. E a TAP? Tem obrigação de não esquecer que continua a ser detida, em grande parte, pelo Estado português. E que deve agir em conformidade, no interesse dos seus acionistas.

Recomendadas

Uaucacau planeia chegar a Lisboa ou Porto até final do ano

A empresa produz chocolates artesanais, com sabores típicos da Madeira, que são obtidos através de produtores regionais.

Estado quer canalizar receita dos impostos do tabaco e das bebidas açucaradas das regiões autónomas para o SNS

A proposta de OE2019 prevê uma alteração ao atual artigo do Código dos Impostos Especiais de Consumo no que se refere ao Artigo 105.º (Taxas nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira), aumentando o imposto sobre o tabaco produzido nestas regiões. As receitas serão canalizadas para o SNS. Assim como as das bebidas açucaradas.

‘Bioplatform’: plataforma de agricultura biológica quer chegar ao mercado ibérico

O Bioplatform é uma plataforma comercial quer quer servir como pólo agregador na área da agricultura biológica.
Comentários