Reino Unido regista 137 mortes por Covid-19 e ultrapassa 44 mil

Foram realizados ou disponibilizados 205,673 testes, dos quais 544 deram resultado positivo, pelo que o número de casos de infeção desde o início da pandemia aumentou para 284.276.

O Reino Unido registou 137 mortes de pessoas infetadas com o coronavírus nas últimas 24 horas, mais do que na véspera, aumentando para 44.131 o total desde o início da pandemia covid-19, anunciou o Ministério da Saúde britânico.

Foram realizados ou disponibilizados 205,673 testes, dos quais 544 deram resultado positivo, pelo que o número de casos de infeção desde o início da pandemia aumentou para 284.276.

Na quinta-feira tinham sido comunicadas 89 mortes e 576 novos infetados.

Estes números são conhecidos um dia antes de ser autorizada a reabertura de bares e restaurantes, encerrados desde meados de março devido ao confinamento decretado para travar a pandemia de covid-19.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, instou as pessoas a “aproveitarem o verão de maneira sensata” devido ao risco de uma nova vaga de infeções.

“A minha mensagem é aproveitem o verão de maneira sensata e garantir que tudo funciona. Não vamos estragar tudo agora. Precisamos de perceber que existe sempre um risco”, alertou, numa entrevista à rádio LBC.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 521 mil mortos e infetou mais de 10,88 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Ler mais
Recomendadas

Pedro Silva Pereira designado relator para acordo do Brexit

“A proposta de lei do Governo de Boris Johnson sobre o mercado interno britânico tem disposições unilaterais frontalmente contrárias ao protocolo para a Irlanda e a Irlanda do Norte. É uma violação grosseira do princípio da boa fé e do Direito internacional. Não podia ter outra resposta”, refere o eurodeputado socialista.

OE 2021: Aumento de 20 euros do salário mínimo em cima da mesa

Proposta do executivo de António Costa para o aumento do salário mínimo poderá ser de menos 15 euros do que foi no ano passado, uma medida que não agrada ao Bloco de Esquerda que pede um crescimento de 35 euros, nem ao PCP que sugere uma subida de 215 euros.

Horários flexíveis em Lisboa e Porto vão durar seis meses e podem ser alterados todas as semanas

As empresas com mais de 50 trabalhadores vão poder alterar os horários semanalmente, mas a diferença máxima na hora de entrada e saída só pode ser de uma hora. Limites máximos diários e semanais do horário de trabalho não podem ser ultrapassados, nem passar o horário diurno ou noturno e vice-versa.
Comentários