Trump acredita nas explicações de Riade sobre a morte do jornalista

A Arábia Saudita reconheceu que o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi morto no seu consulado em Istambul, na Turquia, durante uma luta, referindo que 18 sauditas estão detidos como suspeitos, anunciou a agência oficial de notícias SPA.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, considerou credíveis as explicações da Arábia Suadita sobre a morte do jornalista Jamal Khashoggi no seu consulado em Istambul, que, de acordo com Riade, morreu durante uma luta.

Donald Trump questionado por jornalista se julgava a versão de Riade “credível” respondeu: “Sim, Sim”.

“Ainda é cedo, não terminamos a nossa avaliação ou investigação, mas acho que é um passo muito importante”, acrescentou em referência às revelações sauditas.

A Arábia Saudita reconheceu que o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi morto no seu consulado em Istambul, na Turquia, durante uma luta, referindo que 18 sauditas estão detidos como suspeitos, anunciou a agência oficial de notícias SPA.

“Investigações preliminares realizadas pelo Ministério Público sobre o desaparecimento do cidadão saudita Jamal bin Ahmad Khashoggi revelaram que discussões, que ocorreram entre ele e as pessoas que se encontraram com ele durante a sua presença no consulado saudita em Istambul, levaram a uma luta com o cidadão, Jamal Khashoggi, que causou a sua morte. Que a sua alma descanse em paz”, refere a agência, citando os procuradores sauditas.

A agência estatal de notícias saudita revelou também que um conselheiro próximo do príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, foi demitido, juntamente com três líderes dos serviços de inteligência do reino e oficiais.

As informações reveladas não identificam os 18 sauditas detidos pelas autoridades.

Khashoggi, jornalista saudita residente nos Estados Unidos desde 2017, era apontado como uma das vozes mais críticas da monarquia saudita.

Jamal Khashoggi, 60 anos, entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul no dia 02 de outubro para obter um documento para casar com uma cidadã turca e nunca mais foi visto.

Ler mais
Recomendadas

Theresa May prepara viagem a Bruxelas depois de oposição interna acalmar

Primeira-ministra teve várias boas notícias durante esta segunda-feira: afinal, parece que só há 24 cartas (e não 48) a pedir a sua demissão. Não chega. E Jeremy Corbyn disse que o pior cenário é um não-acordo – felizmente para ele, já há um.

Juiz proíbe Administração Trump de recusar asilo a imigrantes

Um juiz federal proibiu temporariamente a Administração norte-americana liderada por Donald Trump de recusar asilo a imigrantes que cruzem ilegalmente a fronteira no sul dos Estados Unidos.

Brexit: Partido Trabalhista vai chumbar acordo e pedir eleições antecipadas

“Se a primeira-ministra é incapaz de negociar um acordo que consiga ganhar uma maioria no parlamento e funcionar para o país todo, o plano alternativo do ‘Labour’ pode e deve tomar o seu lugar”, referiu Jeremy Corbyn, líder do partido Trabalhista britânico.
Comentários