Trump prescinde de sanções e mantém vigência do acordo nuclear com o Irão

Trump tem vindo a anunciar que vai “rasgar” o acordo de 2015 – assinado entre o Irão, os EUA, a Rússia, a China, o Reino Unido, a França e a Alemanha – que pôs fim às sanções contra Teerão em troca de uma limitação ao programa nuclear iraniano.

Carlos Barria/REUTERS

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve hoje a vigência do acordo nuclear com o Irão, confirmando uma moratória às sanções contra Teerão, indicou a Casa Branca, sublinhando que esta “foi a última vez”.

Trump tem vindo a anunciar que vai “rasgar” o acordo de 2015 – assinado entre o Irão, os EUA, a Rússia, a China, o Reino Unido, a França e a Alemanha – que pôs fim às sanções contra Teerão em troca de uma limitação ao programa nuclear iraniano.

A administração norte-americana terá de tomar nova decisão sobre se prescinde ou não das sanções contra Teerão em 60 dias. Até lá, disse um alto responsável dos EUA, Washington pretende “trabalhar com os parceiros europeus” sobre novos termos do acordo, para endurecer as condições do texto de 2015.

Três altos responsáveis citados pela agência Associated Press (AP) indicaram ao longo da tarde de hoje que, apesar de prescindir de aplicar as sanções, Trump também deixou uma ameaça de que vai mesmo sair do acordo se não houver uma renegociação dos termos até à primavera.

Recomendadas
Transparência: PS quer regresso da lista das subvenções vitalícias
A lista, composta na maioria por políticos reformados, deixou de ser publicada em maio, depois de surgirem dúvidas colocadas pelo Regulamento Geral de Proteção de Dados.
Comissão parlamentar quer ouvir Manuel Pinho em 17 de outubro
Fonte parlamentar adiantou à agência Lusa que para 17 de outubro ficou agendada a audição do ex-ministro da Economia Manuel Pinho, sendo esta a última data deste lote de inquirições previstas.
João Lourenço: “Investimentos portugueses são bem-vindos”
O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou esta terça-feira que os investimentos diretos portugueses em todos os setores em Angola são “bem-vindos” e que Portugal pode assumir um papel relevante no desenvolvimento dos dois países.
Comentários