Premium“A Huawei esteve imune a ameaças de segurança nos últimos 30 anos”

Tony Li, CEO da Huawei Portugal, afirma que planeia estender mecanismos como o centro de Segurança e Transparência, que será construído em Bruxelas aos “mais variados cantos do mundo”.

Ao longo de 2019, a Huawei vai desenvolver produtos com tecnologias de Inteligência Artificial (IA), Big Data e Cloud Computing. Em entrevista ao Jornal Económico, o CEO da tecnológica chinesa em Portugal fala ainda da importância do mercado português, onde são os telemóveis os favoritos da marca.

Qual o desempenho da região europeia, incluindo Portugal?

Em 2018, o rendimento total da nossa empresa ultrapassará os 100 mil milhões de dólares americanos. A Europa é o nosso maior mercado fora da China. Existem mais de 12 mil pessoas no continente e institutos de pesquisa em 13 países, com compras anuais que excedem os cinco mil milhões de dólares. Enquanto ajudamos a Europa a melhorar a sua competitividade, estamos a ajudar as empresas europeias a expandir para lá do continente, especialmente para o mercado chinês. Os nossos produtos e serviços têm tido uma ótima aceitação em Portugal. Hoje, somos o maior fornecedor móvel. Os últimos telefones da série Mate20 estão com muita procura.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Inquérito/Energia: Vieira da Silva delegou em Zorrinho mas subscreve decisões

Vieira da Silva disse ainda “não ter dúvidas” de que “estrategicamente, teria sido vantajoso permanência do Estado na REN”, e adianta que “várias das medidas que o governo teve de tomar foram decididas num quadro de emergência.

Moody´s espera que o Novo Banco e outros bancos concluam algumas alienações de ativos imobiliários em 2019

Enquanto esta tendência é positiva e as perspectivas são favoráveis ​​para 2019, o rácio de NPL médio dos bancos em Portugal ainda é muito fraco em comparação com a média da União Europeia  que era de 3,4% (em setembro de 2018).

easyJet estabelece acordo de ‘code share’ com Cathay Pacific

Com o acordo hoje, dia 21 de janeiro, anunciado, a partir das próximas semanas, os clientes da easyJet poderão voar para Hong Kong a partir do aeroporto de Gatwick (Londres).
Comentários