Após polémica, tese do primeiro ministro de Espanha já está online

A tese de doutoramento Pedro Sánchez foi tornada pública na plataforma “Teseo”, do Ministério da Educação espanhol, na sequência de dúvidas sobre plágio. O programa de software Turnitin, utilizado na Universidade de Oxford, atestou a originalidade do documento.

A tese de doutoramento do primeiro ministro espanhol já está disponível para consulta na base de dados “Teseo”, do Ministério de Educação, Cultura e Desporto de Espanha. O trabalho de Pedro Sánchez foi tornado público na sequência de dúvidas sobre plágio levantadas pela oposição e pelos media locais.

Intitulada “Innovaciones de la diplomacia económica española: Análisis del sector publico (2000-2012)” (“Inovações da diplomacia económica espanhola: Análise do setor público”), a tese do chefe do executivo madrileno foi apresentada na Universidade Camilo José Cela e debruça-se sobre as inovações que os vários níveis do setor público lideraram no terreno da diplomacia económica do país.

Após ter sido divulgada, os programas de software Turnitin, utilizado na Universidade de Oxford, e o PlagScan, confirmaram a originalidade da investigação de Pedro Sánchez.

Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários