Irão bloqueia aplicações de ‘social media’ face a protestos

O ministro do Interior do Irão esclareceu que não vai tolerar o alastrar da violência, medo e terror. O The Guardian refere que são esperados mais protestos este domingo.

Raheb Homavandi/REUTERS

As autoridades iranianas bloquearam várias aplicações de ‘social media’ durante os protestos que se têm verificado no país diz o The Guardian. O mesmo orgão de comunicação social refere que estes protestos são os maiores, no Irão, desde 2009.

O discurso das autoridades iranianas endureceu-se face a estes protestos, que já provocaram duas mortes, alertando que aqueles que perturbarem a ordem pública terão que “ser responsabilizados” pelas suas ações.

O ministro do Interior do Irão, Abdolreza Rahmani-Fazil, esclareceu este domingo que não iria tolerar o alastrar “da violência, medo e terror”.

“Aqueles que estragarem propriedade pública, interromperem a ordem, a segurança das pessoas, e quebrarem a lei têm que ser responsabilizados pelo seu comportamento”, clarifica o ministro do Irão.

O The Guardian refere que estes protestos começaram devido a questões económicas mas que agora assumem uma dimensão política com pedidos para que Ayatollah Ali Khamenei se demita do seu cargo.

Os protestos de sábado, de acordo com o Financial Times, mobilizaram a polícia que foi obrigada a utilizar gás lacrimogéneo para dispersar os protestantes.

De acordo com o The Guardian são esperados mais protestos durante este domingo.

Ler mais
Recomendadas

Al Gore ‘substitui’ Barack Obama no Climate Change Leadership Porto

O Prémio Nobel e ex-vice-presidente dos Estados Unidos estará no Porto em março para uma conferência focada nos desafios que as alterações climatéricas representam para a indústria mundial do vinho.

Venda de ‘hijabs’ como uniforme escolar causa polémica no Reino Unido

A marca britânica, Marks & Spencer está a ser alvo de controvérsia por vender ‘hijabs’ como vestuário escolar. Grupo é alvo de fortes criticas por promover ”a sexualização” das crianças muçulmanas.

Crescimento económico da Grécia em 2017 revisto em alta para 1,5%

A razão para a revisão prende-se com a despesa com consumo, que aumentou 0,6% de acordo com os novos dados, enquanto na estimativa rápida, o Elstat indicava uma diminuição de 0,2%.
Comentários