Banco de Portugal já registou 32 intermediários de crédito e 24 são stands de automóveis

Desde 1 de janeiro de 2018, que os intermediários de crédito estão sujeitos à supervisão do Banco de Portugal, que se comprometeu a publicar a lista de pessoas singulares e coletivas autorizadas a exercerem a atividade.

Cristina Bernardo

O Banco de Portugal já autorizou 32 entidades para funcionarem como intermediários de crédito e três quartos destas são stands de automóveis, segundo noticia o “Jornal de Negócios”, na sua edição desta sexta-feira, 10 de agosto.

Esta situação decorre da obrigação de registo junto do Banco de Portugal, em vigor desde 1 de janeiro deste ano, de todas as entidades que intervêm nos processos de concessão de crédito à habitação ou ao consumo.

O “Jornal de Negócios” refere que dos 32 intermediários de crédito que já conseguiram autorização do regulador, 24 são stands de automóveis.

Novas regras desde janeiro

Desde 1 de janeiro de 2018, que os intermediários de crédito estão sujeitos à supervisão do Banco de Portugal, que se comprometeu a publicar a lista de pessoas singulares e coletivas autorizadas a exercerem a atividade.

“As pessoas singulares e coletivas que, no dia 1 de janeiro de 2018, já atuem como intermediários de crédito terão um prazo de um ano, até 31 de dezembro de 2018, para submeterem o seu pedido de autorização ao Banco de Portugal”, avisou o supervisor bancário,  no início do ano.

O que são intermediários de crédito?

Os intermediários de crédito são entidades que intervêm na concessão de crédito, mas que não concedem crédito.

São pessoas, singulares ou coletivas, que apresentam ou propõem aos consumidores contratos de crédito; que apoiam os consumidores nos atos preparatórios de contratos de crédito mesmo que não tenham apresentado ou proposto; que celebram contratos de crédito com os consumidores em nome das instituições que concedem crédito e que prestam serviços de consultoria fazendo recomendações personalizadas sobre contratos de crédito.

O Banco de Portugal realça que os intermediários de crédito não podem conceder crédito, nem podem receber ou entregar fundos relativos aos contratos de crédito. Assim como também não podem intervir na comercialização de outros produtos e serviços financeiros, incluindo de depósitos e de serviços de pagamento.

Ler mais
Relacionadas

Presidente promulga decreto que autoriza Governo a regular serviços de pagamento e moeda eletrónica

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou hoje o decreto que autoriza o Governo a regular o acesso à atividade das instituições de pagamento e de moeda eletrónica, transpondo uma diretiva comunitária.

Respostas Rápidas. Como funcionam as gravações de conversas entre investidores e bancos?

A entrada em vigor da revisão da Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF II) trouxe, esta quarta-feira, novas regras. Perceba quando e porque podem ou não ser gravadas comunicações dos intermediários financeiros e quando é que o cliente as pode pedir.
Recomendadas

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais, diz a PwC

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

FMI indica três passos para evitar uma crise de dívida pública

O artigo publicado hoje no IMFBlog, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que “a sustentabilidade da dívida de alguns países de alto risco tem sido objeto de muito debate público”, mas, no entanto, “o peso da dívida pública é um problema crescente em todo o mundo”.

Luís Pedro Martins eleito para mandato de 5 anos na Turismo Porto e Norte de Portugal

De acordo com os atuais estatutos da TPNP, o mandato da comissão executiva tem a duração de cinco anos e só pode ser renovado uma vez.
Comentários