BMW aposta em talento português para desenvolver software

A Critical TechWorks é uma joint venture para o longo prazo entre a gigante automóvel e a empresa portuguesa, Critica Software. Há dois meses operacional e contando com duas dezenas de trabalhadores, com esta joint venture a BMW diz ter conseguido acesso a “talento para uma área em que é difícil de encontrar”.

A BMW Group apresentou esta quinta-feira a Critical TechWorks, uma joint venture estabelecida entre a construtora de automóveis e a Critical Software, uma empresa portuguesa especializada no desenvolvimento de soluções de software. Numa conferência de imprensa realizada no âmbito da Web Summit, Klaus Straub, vice-presidente e chief information officer (CIO) da BMW, e Christoph Grote, vice-presidente da BMW Group Electronics, explicaram como este acordo com a empresa portuguesa permitiu suprir a “dificuldade em encontrar talento” para a área de desenvolvimento de engenharia informática.

De acordo com os executivos da BMW, a Critical TechWorks assumiu a forma de uma joint venture porque “não queriam começar uma empresa do zero”. Diferente de uma parceria comercial, numa joint venture duas ou mais empresas colocam os seus recursos à disposição de uma entidade terceira que tem por finalidade cumprir com um objetivo específico. “Esta joint venture é para o longo prazo”, explicaram.

Sediada entre Lisboa e o Porto, onde fica a sede da Critical Software, a joint venture, detida a 51% pela BMW e a 49% pela empresa portuguesa, “está operacional há dois meses, mas é um projeto que tem um ano”, disse Grote. “Neste momento, temos cerca de 200 pessoas a trabalharem para a Critical TechWorks, mas queremos aumentar o número para 500 no próximo ano e, depois, talvez mais”. Grote adiantou ainda que com esta joint-venture, a BMW está “a criar uma empresa sustentável e com competências sólidas”.

Ainda que “a BMW se considere uma empresa de tecnologia”, as atividades levadas a cabo em Portugal pela Critical TechWorks serão variadas, desde “tudo o que tenha a ver os carros conectados” e passando pela “interface homem-máquina e tudo o que se vê no ecrã dos carros”, explicou Straub.

O CIO disse que a construtora alemã ainda pensou noutros países, como a Índia, mas a escolha acabou por recair em Portugal “por razões culturais e pelo talento disponível”. “A Critical Software tem a capacidade de fazer código e software que pode ser testado para um carro”, explicou Grote.

A escolha da Critical Software parece ter adquirido mais relevância quando Straub explicou que cerca de “70% da inovação advém das tecnologias de informação”.

Questionado sobre se atualmente, para uma fabricante de automóveis, saber fazer software se tornou tão importante quanto produzir um carro, Grote foi perentório a dizer “absolutamente”. “Hoje em dia, espera-se que os carros tenham funcionalidade ao lado da mecânica”. “O carro e a tecnologia estão lado a lado”, complementou Straub.

Em relação à concorrência do outro lado do Atlântico, nomeadamente o software e a eletrificação dos veículos levados a cabo pela Tesla, Grote não quis comentar. Mas adiantou que a BMW “está confiante” com o que tem desenvolvido. “Em 2013 lançámos o BMW i3 e o i8 (gama elétrica)”, adiantou Straub.

Sobre o futuro da autonomia dos carros, os dois executivos demonstraram alguma prudência porque “os carros autónomos dependem do respetivo nível de autonomia e da geografia de que estamos a falar”, explicou Grote. “Haverá cidades e países melhor preparados para carros com um maior nível de autonomia do que outros”. Ainda assim, a BMW já desenvolveu o X5, um carro que “retira tempo ativo de condução ao condutor, mas que, por definição, apenas tem um nível de autonomia de nível 2 porque requer ainda a supervisão por parte do condutor”, disse. “Mas estamos confiantes de que teremos um carro autónomo de nível 3 em 2020 ou 2021”.

“É uma maratona e não um sprint”, rematou Grote.

Ler mais
Relacionadas

Web Summit: Acesso ao talento será maior desafio das tecnológicas após o Brexit, diz ex-ministro

O deputado conservador e ex-ministro da Tecnologia britânico, Ed Vaizey, apontou esta quinta-feira, na Web Summit, em Lisboa, o acesso ao talento como o grande desafio das empresas tecnológicas do Reino Unido após o Brexit.

A Web Summit em imagens

O maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo, que decorre até esta quinta-feira, em Lisboa, está a marcar a semana de vários empresários, líderes políticos e cidadãos portugueses e estrangeiros. Veja aqui em fotografias o ambiente se vive neste encontro marcado por debates sobre as tendência digitais do presente e do futuro.

Web Summit: Paddy Cosgrave vai passar a viver em Lisboa

“Tem sido uma semana fantástica”, afirmou o fundador do evento aos jornalistas, sublinhando que 44% dos 70.500 participantes foram mulheres e o wifi esteve operacional a 99,5 ou 99,6%.

Siemens Portugal investe 20 milhões de euros e contrata 400 pessoas nos próximos dois anos

“Este investimento vem reforçar a estratégia que definimos para esta área em Portugal”, afirmou Pedro Pires de Miranda, CEO da Siemens Portugal, na Web Summit.
Recomendadas

“Más práticas quase são incentivadas pela não penalização”

Portugal sai destacado pelas piores razões num estudo da Intrum a nível europeu sobre as dívidas às empresas. Luís Salvaterra sublinha que o êxito da recuperação do dinheiro depende da rapidez.

Maioria dos comerciantes europeus desconhece padrões de pagamento que chegam em setembro

Um estudo da Mastercard, realizado entre setembro e novembro de 2018, concluiu que 75% dos comerciantes com lojas online não sabe o que é a SCA (Strong Costumer Authentication), obrigatória no âmbito da nova Diretiva de Serviços de Pagamento (PSD2).

Cinco bancos angolanos lucraram 42 milhões de euros até dezembro

Banco Comercial do Huambo (BCH) e Banco Comercial Angolano (BCA) registaram os maiores lucros.
Comentários