Câmara de Lisboa adia hasta pública dos terrenos de Entrecampos para 23 de novembro

Fernando Medina (PS) disse que o adiamento por duas semanas visa que “todos os investidores possam avaliar com calma e tranquilidade” as respostas prestadas pelo município ao Ministério Público.

Cristina Bernardo

A Câmara de Lisboa decidiu hoje prorrogar o prazo de entrega de propostas no âmbito da hasta pública de Entrecampos até 22 de novembro, na sequência das questões levantadas pelo Ministério Público, ficando o leilão agendado para dia 23.

A informação foi transmitida pelo presidente da Câmara Municipal durante uma conferência de imprensa realizada nos Paços do Concelho da capital.

Aos jornalistas, Fernando Medina (PS) disse que o adiamento por duas semanas visa que “todos os investidores possam avaliar com calma e tranquilidade” as respostas prestadas pelo município ao Ministério Público.

Esta decisão, acrescentou, permite também “que o Ministério Público possa ter o tempo adequado para avaliar uma matéria complexa e extensa”, bem como “as respostas que o município” deu.

Medina reforçou que o objetivo é que todas as entidades envolvidas no processo possam ter “as dúvidas esclarecidas”.

A Câmara de Lisboa informou na quinta-feira ter recebido um ofício do Ministério Público que levanta questões relativamente a este projeto, as quais garantiu hoje que já foram respondidas.

No documento, de sete páginas e assinado pela procuradora Elisabete Matos, são elencadas cinco questões: a percentagem de habitação que será incluída no projeto, a figura de operação integrada, a unidade de execução, a edificabilidade de área da antiga Feira Popular e ainda a eventual ausência de um parecer da Autoridade Nacional de Aviação Civil.

A Operação Integrada de Entrecampos prevê a construção de 700 fogos de habitação de renda acessível naquela zona da capital (515 construídos pelo município) e de um parque de estacionamento público na avenida 5 de Outubro. A operação está orçada em 800 milhões de euros, dos quais 100 milhões serão responsabilidade do município.

Nos terrenos da antiga Feira Popular vão nascer mais 279 habitações, que serão colocadas em regime de venda livre, e escritórios, que a autarquia prevê que levem à criação de 15 mil novos empregos.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento Europeu aprova metas para renováveis e eficiência energética até 2030

As novas regras, já acordadas entre os Estados-membros, estabelecem uma meta vinculativa de 32% de energia proveniente de fontes renováveis a nível da União Europeia (UE) para 2030 e um objetivo de eficiência energética de 32,5%.

Ministro da Defesa sobre Tancos: “Há efetivamente algumas informações contraditórias”

Em audição na Comissão da Defesa Nacional, o ministro admitiu que existem “limitações na elucidação total” por haver um processo judicial em curso e exigiu rigor na “identificação das vulnerabilidades” para evitar situações idênticas.

Assembleia Municipal do Porto aprova proposta de Orçamento para 2019

A Assembleia Municipal do Porto aprovou esta terça-feira a proposta do Orçamento para 2019 com os votos contra do PSD, PS e Bloco de Esquerda e a abstenção da CDU.
Comentários