Coletes amarelos: Oito mil invadem Paris, 32 mil em França

Apesar das medidas aprovadas pelo Governo gaulês, como o aumento do salário mínimo em 100 euros, o movimento dos coletes amarelos não dá tréguas a Emmanuel Macron.

Oito mil coletes amarelos invadiram Paris este sábado, no nono fim-de-semana consecutivo de protestos em França. Apesar das medidas aprovadas pelo Governo gaulês, como o aumento do salário mínimo em 100 euros, o movimento dos coletes amarelos não dá tréguas a Emmanuel Macron.

Em todo o país, 32 mil coletes amarelos estão a protestar este sábado contra o Executivo francês, avança a agência France Presse, citando dados do Governo. Este valor fica abaixo dos 26 mil manifestantes registados no fim-de-semana passado.

O Palácio do Eliseu ordenou a mobilização de 80 mil agentes da polícia em todo o país, e um total de cinco mil para Paris, segundo a Bloomberg. O responsável máximo da polícia de Paris, Michel Delpuech, disse na sexta-feira que esperava protestos violentos, e também um aumento do número de manifestantes depois do período festivo ter terminado, mas longe das multidões registadas, na ordem dos centenas de milhares.

A manifestação teve o seu início no ministério das Finanças e terminaria no final da Avenida dos Campos Elísios, no Arco do Triunfo. Segundo a televisão gaulesa BMFTV, cerca de uma centena de coletes amarelos já foram identificados pela polícia. Alguns vídeos difundidos pela BMFTV, mostram momentos de tensão entre os manifestantes e a polícia na zona dos Campos Elísios na capital francesa pelas 14:00 deste sábado, hora de Portugal.

Relacionadas

Manifestação de coletes amarelos em Paris obriga a fechar Torre Eiffel e dezenas de museus

A emblemática torre Eiffel estará fechada este sábado, tal como uma dezena de museus em Paris, para prevenir qualquer impacto de uma possível manifestação marcada pela violência.
Recomendadas

Donald Trump elogiou atuação responsável de Xi Jinping sobre protestos em Hong Kong

As manifestações, que se iniciaram há sete semanas , evoluíram da contestação à lei da extradição, que permitia o envio para a China de fugitivos ou suspeitos de crimes refugiados no território de Hong Kong, até reivindicações mais amplas sobre a melhoria dos mecanismos democráticos da cidade.

Partido do presidente de Ucrânia com vitória praticamente assegurada

Primeiro a presidência, agora o governo: o ator Volodimir Zelenski está a transformar a Ucrânia num pais totalmente novo. O novo Parlamento vai ser radicalmente diferente do que foi até aqui.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários