Depois dos tremores, Merkel garante que condições para continuar chanceler até 2021

“Eu posso desempenhar este papel. Como pessoa, tenho um forte interesse pessoal na minha saúde e, como eu disse, 2021 é a conclusão do meu trabalho político”, garantiu Merkel.

Fabrizio Bensch/Reuters

Três tremores consecutivos por “falta de três copos de água” e sentada em duas honras de Estado. Estes episódios levantaram muitas dúvidas na opinião pública sobre se a chanceler tem condições de saúde para desempenhar o cargo de líder da maior economia europeia.

Após os episódios, a chanceler alemã revelou esta sexta-feira, 19 de julho, que está em condições para continuar como líder da Alemanha. Angela Merkel admitiu à agência Reuters que espera aproveitar a vida, mas longe da política, depois de cumprir o quarto mandato, em 2021, que também será o seu último.

“Eu posso desempenhar este papel. Como pessoa, tenho um forte interesse pessoal na minha saúde e, como eu disse, 2021 é a conclusão do meu trabalho político”, afirmou Angela Merkel em conferência de imprensa. A chanceler acrescentou ainda em tom de brincadeira “mas, então, espero que haja outra vida depois da política”.

A chanceler também evitou falar sobre os episódios dos tremores, mas quando questionada sobre como se sentia, Merkel acrescentou que se sentia “bem”.

Ler mais
Recomendadas

Itália à procura de governo: de iniciativa presidencial ou segundo o modelo Ursula?

Matteo Salvini não quer outra coisa que não as eleições antecipadas, mas os seus opositores querem tudo menos isso. O Presidente Sergio Mattarella terá que decidir.

Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.

“O ideal era que todos saíssem vivos, mas preferimos salvar os reféns”, diz governador do Rio de Janeiro após sequestro

Wilson Witzel parabenizou o trabalho do BOPE e lamentou a morte do sequestrador. Aos jornalistas, o governador do Rio de Janeiro apelou para que “este tipo de atrocidade” não se volte a repetir e anunciou que a família do criminoso terá acompanhamento.
Comentários