Depois dos tremores, Merkel garante que condições para continuar chanceler até 2021

“Eu posso desempenhar este papel. Como pessoa, tenho um forte interesse pessoal na minha saúde e, como eu disse, 2021 é a conclusão do meu trabalho político”, garantiu Merkel.

Fabrizio Bensch/Reuters

Três tremores consecutivos por “falta de três copos de água” e sentada em duas honras de Estado. Estes episódios levantaram muitas dúvidas na opinião pública sobre se a chanceler tem condições de saúde para desempenhar o cargo de líder da maior economia europeia.

Após os episódios, a chanceler alemã revelou esta sexta-feira, 19 de julho, que está em condições para continuar como líder da Alemanha. Angela Merkel admitiu à agência Reuters que espera aproveitar a vida, mas longe da política, depois de cumprir o quarto mandato, em 2021, que também será o seu último.

“Eu posso desempenhar este papel. Como pessoa, tenho um forte interesse pessoal na minha saúde e, como eu disse, 2021 é a conclusão do meu trabalho político”, afirmou Angela Merkel em conferência de imprensa. A chanceler acrescentou ainda em tom de brincadeira “mas, então, espero que haja outra vida depois da política”.

A chanceler também evitou falar sobre os episódios dos tremores, mas quando questionada sobre como se sentia, Merkel acrescentou que se sentia “bem”.

Ler mais
Recomendadas

Espiões russos usaram os Alpes franceses como base para ataques em vários países

Os agentes suspeitos do homicídio de Sergei Skripal no Reino Unido em 2018 passaram por esta região. No total, passaram pelos Alpes 15 operacionais da unidade 29155 da agência de espionagem russa GRU.

Cidade versus campo: Tribunal francês dá razão a 60 patos considerados “barulhentos”

O vizinho argumentou que não conseguia dormir com as janelas abertas, mas o tribunal considerou que estavam asseguradas as devidas distâncias entre as duas propriedades.

FMI aprova segunda fase do programa de Angola e ‘dá’ 222 milhões de euros

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou hoje o pagamento de 247 milhões de dólares a Angola, no seguimento da aprovação da segunda avaliação do programa de ajustamento financeiro, num total de 3,7 mil milhões de dólares.
Comentários