Ex-diretor do FBI compara liderança de Trump a organização mafiosa

O livro, que está repleto de declarações e acusações fortes contra Trump, surge 11 meses depois do afastamento de Comey, da direção do FBI.

Ler mais

O ex-diretor da polícia federal norte-americana (FBI) James Comey acusou o Presidente dos Estados Unidos de ser “desapegado da verdade”, denunciando uma liderança “guiada pelo ego e apoiada em lealdades pessoais”.

“A presidência de Donald Trump ameaça muito do que é bom nesta nação”, escreve Comey no livro “Uma lealdade mais elevada”, que vai para as bancas na próxima semana.

O livro, que está repleto de declarações e acusações fortes contra Trump, surge 11 meses depois do afastamento de Comey, da direção do FBI.

Comey interpreta Trump como sendo uma figura mafiosa que tenta ultrapassar a linha entre a aplicação da lei e a política, denunciando que este o tentou pressionar, pessoalmente, a respeito da sua investigação sobre a interferência da eleição russa.

O ex-diretor do FBI descreve ainda que quando estava em reuniões com Trump e com a sua equipa lembrava-se do tempo em que investigava a máfia italiana, como procurador em Manhattan. “Ele tentava fazer de nós todos parte da mesma família”, denuncia.

A administração dos Estados Unidos é um “incêndio florestal” que não pode contido, afirma o ex-diretor do FBI, entre muitas outras acusações sobre o caráter pessoal de Donald Trump.

Em conversas pessoais com Trump, Comey assume que o Presidente dos Estados Unidos lhe pediu para investigar – e provar que era mentira – um alegado envolvimento com prostitutas, num hotel em Moscovo.

Comey escreve que o Presidente queria que se investigasse o caso para tranquilizar a mulher, Melania Trump.

Donald Trump afastou Comey da chefia do FBI, em maio de 2017, desencadeando uma disputa no Departamento de Justiça que levou à nomeação de Robert Mueller como conselheiro especial para investigar uma alegada interferência da Rússia, durante as últimas eleições presidenciais nos Estados Unidos.

Mueller está também a investigar uma possível obstrução à justiça por parte de Trump, e as razões que levaram à demissão de Comey.

O ex diretor do FBI diz ter sido pressionado para encerrar uma investigação sobre o antigo assessor de segurança nacional Michael Flynn.

James Comey afirma que Donald Trump pediu-lhe para abandonar a investigação sobre Flynn, envolvido no caso da alegada ingerência russa nas presidenciais.

Relacionadas

Que planos tem Trump para a Síria? Presidente dos EUA reúne conselheiros

“Vamos ter hoje uma reunião consagrada à Síria”, disse Donald Trump, na Casa Branca, acrescentando que “se verá o que se vai passar”.

Comey: entrevista do antigo diretor do FBI pode “chocar Donald Trump”

Antigo diretor do FBI fala da sua relação com o presidente norte-americano, que o despediu do cargo em maio de 2017.
Recomendadas

China chama embaixador dos EUA após sanções impostas contra o Exército

Em causa estão a sanções impostas pelo Governo norte-americano ao Equipment Development Department (EDD), responsável pelas armas e equipamentos do exército chinês, e ao seu diretor, Li Shangfu, por ter comprado armamento à empresa Rosoboronexport, exportadora russa de armamento, que já havia sido sancionada por Washington.

Marcelo Rebelo de Sousa reúne-se com Guterres no domingo e discursa quarta-feira na ONU

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai encontrar-se com o secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, no domingo, em Nova Iorque, onde irá discursar na 73.ª sessão da Assembleia Geral desta organização, na quarta-feira.

OPEP reduz produção de petróleo face à queda da oferta iraniana devido às sanções dos EUA

Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) baixou a produção de petróleo no mês de agosto, já que as medidas norte-americanas arruinaram a tentativa de elevar a produção para os níveis acordados.
Comentários