Exportações de componentes automóveis voltam a crescer em agosto

O mercado que apresenta maiores taxas de crescimento é o alemão. Do lado contrário está o Reino Unido, para onde as exportações estão em fase de contração.

HO/Reuters

De janeiro a agosto deste ano, as vendas de componentes automóveis ao exterior, de acordo com os dados apurados pela Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA ), atingiram os 5,5 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 8% em relação a igual período do ano passado. Desde o início da década, este indicador já subiu cerca de 67%.

O setor representa cerca de 14% do total das exportações nacionais – numa tendência que apresenta uma tendência de crescimento, colocando a indústria num lugar de destaque no conjunto das exportações nacionais.

A União Europeia continua a ser o bloco económico para onde vai a grande maioria das exportações do setor: cerca de 90%, com uma taxa de crescimento fixada nos 8,7%. O resto do mundo responde por apenas 10%, com uma taxa de crescimento da ordem dos 3,2%.

O mercado espanhol – onde estão concentrados alguns dos clusters mais importantes da indústria automóvel –, nomeadamente em Vigo e na Catalunha, continua a ser aquele que maior produção industrial adquire a Portugal. Entre janeiro e agosto, Espanha absorveu 9,8% das exportações de componentes automóveis nacionais, com um volume de negócios que ascendeu aos 1,3 mil milhões de euros.

Logo a seguir surge o mercado alemão, que absorveu 1,15 mil milhões. Mas este mercado cresceu acima do espanhol: 13% no período em referência.

O mercado francês expandiu 5,6%, para os 786 milhões de euros. Movimento contrário aconteceu no Reino Unido, cujo mercado absorveu apenas 556 milhões de euros, o que representa uma queda de quase 12%. O motivo parece claro: tal como vai sucedendo um pouco por todo o continente, os industriais vão reduzindo a sua exposição ao mercado do Treino Unido, numa fase em que as negociações do Brexit estão numa fase pouco clara.

Ler mais
Relacionadas

Associação ambientalista Zero: ”Temos que penalizar mais os carros a gasóleo e gasolina”

Francisco Ferreira disse ao Jornal Económico que há medidas que têm de ser implementadas para combater o aquecimento global e que é necessário uma ”mudança radical”. ”Portugal é um dos países mais afetados pelas alterações climáticas à escala europeia”, sublinha.

Parlamento Europeu aprova menos emissões de CO2 e mais elétricos e híbridos nas estradas

O plenário do Parlamento Europeu aprovou hoje o texto da proposta de regulamento comunitário que prevê uma redução das emissões de CO2 dos automóveis ligeiros e comerciais ligeiros da UE em 40% até 2030 e prevê também que até essa data 35% das novas vendas de automóveis sejam constituídas por veículos de emissões nulas e de emissões baixas.

Novos métodos de emissões de poluentes levam a queda de 10% na venda de carros

A antecipação de compra vivida em agosto devido aos novos testes de emissões reflectiu-se nas vendas de setembro. Nesse mês foram matriculados pelos representantes legais de marca a operar em Portugal 16.534 automóveis, ou seja, menos 10,1% do que em igual mês do ano anterior.
Recomendadas

Lucros da Sonae Sierra chegam aos 19,1 milhões no primeiro trimestre

No período em referência, a empresa criou a nova joint venture Sierra Balmain depois da aquisição de 50% da Balmain, uma empresa de prestação de serviços polaca.

Fundação Berardo gasta 1 milhão de euros em atividades de cariz social e tem um passivo de 998,5 milhões

De acordo com o relatório e contas da Fundação José Berardo de 2017, consultado pela Lusa, a IPSS do empresário madeirense conhecido por Joe Berardo, sediada no Funchal, gastou 1,041 milhões de euros nos “fins estatutários” da instituição, ou seja, caritativos, educativos, artísticos e científicos.

Spiros Martinis Spettel será o primeiro CEO da parceira entre EDP e Engie

Mandatos na nova ‘joint venture’ vão durar três anos. No primeiro, é a EDP Renováveis a nomear o CEO, enquanto a Engie escolhe o ‘chairman’ e o COO, enquanto no seguinte será ao contrário.
Comentários