Exportações nacionais em abril superam valores registados em 2019 (com áudio)

As vendas de Portugal ao exterior em abril tomaram valores superiores ao que havia sido registado em igual mês 2019, superando o cenário registado antes da chegada da Covid-19.

As exportações portuguesas em abril subiram 82,4% em termos homólogos e 7,0% comparando com igual período de 2019, o que significa que o país exportou mais em abril de 2021 do que havia feito dois anos antes, quando a Covid-19 estava ainda distante. Os números revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta quarta-feira mostram ainda uma subida de 60,4% nas importações em termos homólogos.

Apesar das importações não atingirem, como sucede com as exportações, níveis superiores ao registado em 2019, é de ressalvar que o indicador mostra uma variação de apenas -2,6% quando comparado com igual período de há dois anos. A nota do INE destaca que abril de 2019 foi um mês de fortes compras ao exterior, sobretudo em material de transporte, o que inflaciona a leitura base desta comparação.

Ainda assim, numa análise em cadeia constata-se que os indicadores caíram em abril relativamente a março, com as vendas para o exterior a diminuírem 8,0% e as compras 3,8%.

Excluindo a rubrica de combustíveis e lubrificantes, as importações nacionais subiram 60,1% em relação a abril de 2020 e caíram 0,6% em comparação com o mesmo mês de 2019. No que reporta às exportações, estas aumentaram 82,1% em termos homólogos e 8,4% em relação a abril de 2019.

Considerando o trimestre terminado a abril de 2021, este apresentou aumentos de 31,0% e 15,8% em termos homólogos. Visto que o período de comparação inclui já a chegada da pandemia, uma comparação com menos efeito base é possível utilizando como referência 2019, numa análise que se traduz num crescimento de 7,5% nas exportações e um decréscimo de 2,8% nas importações.

Estes números resultam numa balança comercial de bens com um défice de 1.255 milhões de euros, o que representa uma subida de 70 milhões de euros em relação ao período homólogo, mas também uma descida de 525 milhões comparando com abril de 2019.

Recomendadas

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários