Governo reúne-se amanhã em Conselho de Ministros. OE2019 vai ser debatido

A proposta do Governo de Orçamento do Estado prevê em 2019 um crescimento de 2,2%, um défice de 0,2%, um desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 117% do Produto Interno Bruto.

O Governo reúne-se no sábado, a partir das 11:00, para debater a proposta de Orçamento do Estado para 2019, documento que será entregue no parlamento na segunda-feira, disse hoje à agência Lusa fonte oficial do executivo.

Na passada terça-feira, ao abrigo do estatuto da oposição, o ministro das Finanças, Mário Centeno, recebeu os partidos com representação parlamentar e comunicou-lhes o cenário macroeconómico previsto pelo Governo para o próximo ano.

A proposta do Governo de Orçamento do Estado prevê em 2019 um crescimento de 2,2%, um défice de 0,2%, um desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 117% do Produto Interno Bruto.

Na Assembleia da República, a proposta orçamental do Governo será discutida e votada na generalidade nos próximos dias 29 e 30. A votação final global está agendada para 29 de novembro.

Recomendadas

Hotelaria e restauração aplaudem reposição do IVA nas bebidas no OE2019

Ainda assim, para a AHRESP, a meta são os 10%. A redução dos custos de contexto que afetam a atividade das empresas deste setor, e particularmente dos custos com o trabalho, que não foram tidas em conta pelo Governo para este orçamento, acredita a associação.
apoiado por

Cibersegurança é vital para garantir a continuidade dos negócios

O negócio da segurança está em crescimento acelerado. Só em Portugal, segundo Gabriel Coimbra, da IDC, o valor do mercado de segurança deverá crescer cerca de 39% entre 2017 e 2022, passando de um valor de 130 milhões de euros para cerca de 181 milhões. Os serviços de segurança terão um crescimento médio anual de 9%, enquanto o crescimento médio anual (CAGR) de software e o hardware deverá rondar os 7% e 2% respetivamente.

Atividade económica e consumo privado voltam a cair em setembro

O indicador coincidente mensal para a atividade económica recuou para 1,8% face aos 1,9% de agosto, enquanto o indicador coincidente mensal para o consumo privado diminuiu para 1,4% em setembro, contra 1,6% do mês anterior.
Comentários