Proprietários defendem que suspensão dos registos de Alojamento Local em Lisboa é insuficiente

“Todos estes bairros tradicionais de Lisboa, de tradicionais já não têm nada. Todos eles são uma hospedaria pegada, quem atravessa estas ruas observa isso sem dificuldade”, diz o presidente da Associação Nacional de Inquilinos, António Frias Marques, ao Jornal Económico. A Câmara Municipal de Lisboa anunciou aos vereadores da autarquia que vai suspender novos registos de alojamento local nos bairros lisboetas da Madragoa, Castelo, Alfama, Mouraria e Bairro Alto.

Cristina Bernardo

O presidente da Associação Nacional de Proprietários considera que a suspensão dos novos registos de alojamento local em cinco bairros Lisboa, anunciada esta quinta-feira, é insuficiente para alterar a situação que já se vive.

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou aos vereadores da autarquia, em reunião privada do executivo liderado pelo PS, que vai suspender novos registos de alojamento local nos bairros lisboetas da Madragoa, Castelo, Alfama, Mouraria e Bairro Alto. A informação consta do estudo urbanístico do turismo em Lisboa, que foi apresentado na reunião e noticiado pela agência Lusa.

Em declarações ao Jornal Económico, o presidente da Associação Nacional de Proprietários, António Frias Marques, diz que esta decisão não vai, no entanto, alterar a situação. “Nesses bairros praticamente já só há alojamento local. O tecido habitacional está saturado com o alojamento local”, afirma Frias Marques, defendendo que esta medida não vem afetar quem ainda vive nestes bairros. “No fundo, todos estes bairros tradicionais de Lisboa, de tradicionais já não têm nada. Todos eles são uma hospedaria pegada, quem atravessa estas ruas observa isso sem dificuldade”, sublinha.

Segundo o estudo urbanístico do turismo em Lisboa, o alojamento local nas freguesias de Santa Maria Maior, Estrela e Misericórdia também vai ser alvo de restrições.

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou, no início deste mês, que iria apresentar ainda em outubro uma proposta de contenção para limitar a abertura de novos alojamentos locais. “É uma medida legal de tentativa de travar os registos, mas isto não vai travar coisa nenhuma, porque tudo o que seja um vão de escada para deitar turistas vai continuar a existir”, até porque “o alojamento local real é o dobro daquele que está registado, porque há muito alojamento local que é ‘encapotado’”, refere António Frias Marques.

O município estima que o regulamento sobre esta matéria seja divulgado no próximo mês novembro.

Ler mais
Relacionadas

Alojamento local vai ser suspenso no Bairro Alto e na Madragoa

Restrições ao alojamento local avançam em cinco bairros históricos de Lisboa. A zona da Baixa pode vir a ser a próxima área onde a autarquia irá intervir.

IV Cimeira de Turismo: limitar ou proibir não fazem parte do futuro

Os mais recentes números da Organização Mundial do Turismo (OMT) apontam para a circulação de quase 700 milhões de turistas, dos quais 20 milhões escolhem Portugal como destino turístico.

Porto ultrapassa Lisboa nos preços do alojamento local

Ao contrário do que se verificava tradicionalmente, os valores em Lisboa subiram 11,6%, enquanto que, no Porto, o aumento atingiu os 17,5%.
Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Pão pode aumentar em 2019 em função de subida do salário mínimo e da matéria-prima

O preço do pão poderá subir em 2019, acompanhando o aumento do salário mínimo e do valor da matéria-prima, disse à Lusa o presidente da Associação dos Industriais da Panificação, Pastelaria e Similares do Norte.

Preço do leite deverá manter-se em 2019

O secretário-geral da Fenalac, Fernando Cardoso, disse à Lusa que o preço do leite deverá manter-se em 2019, apesar de a escassez de alimentação para os animais poder ter alguma influência a longo prazo.
Comentários