Insolvências de empresas diminuem 22% em novembro

No acumulado do ano, Leiria, Viseu e Portalegre foram os distritos portugueses com a maior queda nas insolvências.

As insolvências de empresas em Portugal diminuíram 22% em novembro, para 511, comparativamente ao período homólogo do ano passado, revelam os dados da consultora Iberinform divulgados esta quinta-feira.

No valor acumulado de 2018 também houve uma descida (de 5,6%), para 5.461 insolvências. O mesmo aconteceu como os encerramentos com plano de insolvência e as declarações de insolvência, que caíram 34,6% e 4,2%, pela mesma ordem.

Olhando para os distritos nos quais houve maiores quedas, Leiria (-28,7%), Viseu (-27,1%) e Portalegre (-26,5%) estão no pódio, seguindo-se de Setúbal (-26%), Évora (-24%) e Madeira (-22,8%). Por outro lado, as duas metrópoles de Lisboa e Porto tiveram o maior número de insolvências: 1.466 e 1.288 respetivamente.

“A Indústria Extrativa (58,3%), o Comércio por Grosso (6,8%) e a Agricultura, Caça e Pesca (1,3%) são os setores com maiores aumentos no número de insolvências. As maiores reduções registam-se nas atividades de Telecomunicações (-44,4%), Comércio a Retalho (-18,2%), Hotelaria e Restauração (-13,5%), Construção e Obras Públicas (-8,1%), Transportes (-7,6%) e Comércio de Veículos (-4,1%)”, assinala o relatório da filial da seguradora Crédito y Caución.

As insolvências caem e as constituições de novas organizações sobem. Houve mais 298 novas empresas  (+8,9%) do que em novembro de 2017 e já se somam de 41.645 constituições nos primeiros 11 meses deste ano. “Lisboa – com 14.586 novas empresas – é o distrito com mais constituições e um aumento de 14,7% relativamente a 2017”, refere a Iberinform.

Recomendadas

Quem mais valorizou desde o início da época? Há dois portugueses na lista

Entre os campeonatos inglês, alemão, espanhol, francês, italiano e espanhol, dois portugueses destacaram-se por ter valorizado, em conjunto, 76,2 milhões de euros.

Centeno: “Portugal tem almofada financeira que cobre 44% das necessidades para os próximos 12 meses”

Em conferência de imprensa, após anunciar que Portugal já pagou a totalidade do empréstimo concedido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) no resgate, Centeno confirmou que o rácio da dívida pública face ao PIB deverá ser de 121,2% no final do mês, ou seja, 3,5 pontos percentuais abaixo do valor registado no final do ano passado.

Incompatibilidades: Siza Vieira pediu ao MP arquivamento de processo após remodelação

Após ter sido notificado do parecer do Ministério Público que concluiu que Siza Vieira agiu de “boa fé” na apresentação da sua declaração de incompatibilidades, governante requereu o arquivamento do processo. Pedido é justificado com o faco de ter sido exonerado do cargo de ministro adjunto na remodelação governamental de 15 de Outubro.
Comentários