PremiumKuwait Petroleum entra em Portugal com negócio de 20 milhões

Petrolífera kuwaitiana negoceia a compra de participação de 50% da rede portuguesa do grupo Vapo, pretende duplicar o número de postos e contar com abastecimento direto através do porto de Sines.

A petrolífera Kuwait Petroleum está a preparar a entrada em Portugal através da aquisição de uma participação de 50% na rede de distribuição de combustíveis do grupo português Vapo, num negócio avaliado em 20 milhões de euros, apurou o Jornal Económico juntos de fontes conhecedoras do processo. A Kuwait Petroleum já é parceira do grupo Vapo, que utiliza a marca da petrolífera kuwaitiana, a Q8, na sua rede de abastecimento de combustível em Portugal, e que também é sua fornecedora, através da Kuwait Petroleum Espanha.

O grupo Vapo tem interesses também no setor das energias alternativas, especialmente na biomassa, assim como nos sectores metalúrgico e de materiais de construção, mas, questionado pelo Jornal Económico, o presidente do grupo Vapo, Daniel Cêpa Carvalho, explicou que o negócio envolverá apenas as empresas que operam no ramo dos combustíveis, na importação, venda a granel e venda a retalho. Os detalhes do negócio foram discutidos num encontro com os responsáveis da empresa kuwaitiana no Porto, no primeiro fim de semana de outubro. O processo de due dilligence está já em curso e é da responsabilidade da consultora KPMG.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Elon Musk anuncia que vai despedir 7% dos trabalhadores da Tesla

Cerca de três mil trabalhadores da produtora automóvel norte-americana serão despedidos. O aumento de custos devido à produção do novo Model 3 é a principal razão para os despedimentos.

Caixa reduz preço do financiamento do programa Casa Eficiente

A redução de taxas traduz-se agora em spreads disponíveis a partir de 1,05%, incluindo a bonificação de 0,25% associada a esta solução da CGD.

Vendas globais da Primark sobem 4% no primeiro trimestre fiscal

O mercado português não foi dos que mais contribuiu para os ganhos da cadeia têxtil na zona euro, entre os meses de outubro de 2018 e janeiro de 2019.
Comentários