PremiumKuwait Petroleum entra em Portugal com negócio de 20 milhões

Petrolífera kuwaitiana negoceia a compra de participação de 50% da rede portuguesa do grupo Vapo, pretende duplicar o número de postos e contar com abastecimento direto através do porto de Sines.

A petrolífera Kuwait Petroleum está a preparar a entrada em Portugal através da aquisição de uma participação de 50% na rede de distribuição de combustíveis do grupo português Vapo, num negócio avaliado em 20 milhões de euros, apurou o Jornal Económico juntos de fontes conhecedoras do processo. A Kuwait Petroleum já é parceira do grupo Vapo, que utiliza a marca da petrolífera kuwaitiana, a Q8, na sua rede de abastecimento de combustível em Portugal, e que também é sua fornecedora, através da Kuwait Petroleum Espanha.

O grupo Vapo tem interesses também no setor das energias alternativas, especialmente na biomassa, assim como nos sectores metalúrgico e de materiais de construção, mas, questionado pelo Jornal Económico, o presidente do grupo Vapo, Daniel Cêpa Carvalho, explicou que o negócio envolverá apenas as empresas que operam no ramo dos combustíveis, na importação, venda a granel e venda a retalho. Os detalhes do negócio foram discutidos num encontro com os responsáveis da empresa kuwaitiana no Porto, no primeiro fim de semana de outubro. O processo de due dilligence está já em curso e é da responsabilidade da consultora KPMG.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Mais de 27 mil bancários terão de ter formação até março para dar crédito

A necessidade desta formação decorre de uma diretiva do crédito hipotecário, que em entrou em vigor no mês de janeiro.

Agências de viagens dizem que o “maior problema é a performance da TAP“

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) afirma que “o maior problema” que estas empresas enfrentam atualmente é a TAP.

Tesla baixa preços dos carros da China

O objetivo da decisão de Elon Musk passa por minimizar o impacto das tarifas da guerra comercial no bolso dos clientes.
Comentários