Libra esterlina alcança máximos de dois meses após os dados da inflação

A inflação do retalho no Reino Unido subiu fortemente em agosto. O IPC avançou 2,7% no comparativo anual, o que compara com uma subida de 2,5% registada em julho, o que coloca o custo de vida nos ingleses no seu nível mais alto nos últimos seis meses.

Jason Alden/Bloomberg

A libra esterlina alcança máximos de dois meses após os dados da inflação. A análise é de Aitor Méndez Riesgo, da IG. A libra chegou a subir hoje ao nível mais alto dos últimos dois meses, com um intraday máximo de 1,32149 dólares por libra. Isto é a primeira vez que acontece desde julho. Nesta altura já corrigiu um pouco e está nos 1,3158 dólares (+0,08%).

A inflação do retalho no Reino Unido subiu e fortemente em agosto. O IPC avançou 2,7% no comparativo anual, o que compara com uma subida de 2,5% registada em julho, o que  coloca o custo de vida nos ingleses no seu nível mais alto nos últimos seis meses.  Isto quando o consenso dos analistas esperava uma desaceleração da inflação para 2,4%, diz Aitor Méndez.

Na comparação mensal, os preços subiram 0,7%, seu maior avanço desde fevereiro.

A inflação subjacente, aquela que exclui para o seu cálculo os bens mais voláteis como os alimentos frescos e os combustíveis, também sobe de forma inesperada no comparativo inter-anual, com uma subida de 1,9% para 2,1%, o que supera também o objetivo do Banco de Inglaterra (BoE), que é igual ao do resto dos grandes bancos centrais e se situa nos 2%.

A moeda com melhor desempenho na última semana foi também a libra esterlina, que subiu para o seu nível mais forte em relação ao dólar dos EUA em 6 semanas.

O mercado está a partir do pressuposto de que um acordo para o Brexit, de uma forma ou de outra, será feito.

 

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários