Lucro do espanhol Bankinter sobe 8,4% no primeiro semestre para 261 milhões

O banco espanhol Bankinter teve um lucro de 261 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, um aumento de 8,4% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo informação enviada hoje ao mercado.

No relatório de atividade enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV) espanhola, o Bankinter sublinha que de janeiro a junho teve um rácio de rentabilidade sobre o capital investido (ROE) de 13% enquanto a solvência do banco medida através do rácio de capital CET1 fully loaded foi de 11,55%, superior às exigências dos reguladores do mercado.

O banco também realça que teve um crescimento em todas as suas linhas de negócio durante esse período, com o total dos investimentos em créditos a clientes a alcançar os 54.666 milhões de euros, um aumento de 5%.

Por outro lado, os depósitos dos clientes também cresceram 7,1%, para 49.870,1 milhões de euros, enquanto a taxa de crédito malparado caiu para 3,25% (3,74% há um ano).

O banco espanhol revela que a operação que tem em Portugal constitui 7% da sua margem bruta total, o que significa um semestre “muito positivo”, com crescimento em todos os indicadores e em todas as suas áreas de negócio.

O investimento em crédito aos clientes no Bankinter Portugal alcançou os 5.200 milhões de euros em 30 de junho, o que significa mais 12% do que no ano passado, com uma intensidade particular no segmento de empresas.

“Os resultados antes de impostos do Bankinter Portugal cresceram 66% em comparação com o mesmo período de 2017, com um forte crescimento da carteira de crédito”, de acordo com nota da instituição.

Os depósitos dos clientes em Portugal cresceram 4%, para 4.200 milhões de euros, com destaque para o crescimento dos recursos geridos fora do balanço do banco.

O banco espanhol conclui que, a dinâmica de crescimento no país vizinho reflete o compromisso decisivo da entidade bancária para continuar a apoiar os projetos das famílias e empresas em Portugal e contribuir assim para o desenvolvimento económico nesse país.

Ler mais

Recomendadas

Mutualista diz que fusão do Montepio com BCP colide com os interesses dos associados

“O Banco Montepio dispõe de soluções de capital ajustadas às suas necessidades e encontrará o seu próprio caminho de estabilização”, garante a instituição liderada por Virgílio Lima. “Uma fusão desta natureza corresponderia à sua descaracterização, algo que colide com os interesses da Associação e dos associados”, defendem.

Tribunal espanhol adia audições dos responsáveis do CaixaBank sobre compra do BPI

Segundo a agência Efe, problemas técnicos impediram a audição telemática do presidente da Criteria e ex-presidente do CaixaBank. O julgamento que está em curso desde 2018 decorre de uma queixa de acionistas minoritários que se sentiram lesados com algumas operações inerentes à compra do BPI em 2017.

Miguel Maya: Financiamento do Fundo de Resolução tem de ser analisado com cuidado e rigor

Miguel Maya transmitiu esta posição à margem da V Cimeira do Turismo Português, que está hoje a decorrer em Lisboa, depois de ter sido questionado sobre a possibilidade de virem a ser encontradas fontes de financiamento alternativas ao Fundo de resolução sem ser através de empréstimos públicos.
Comentários