“Plano difícil de executar e que irá enfrentar pressão política”, diz Caixa BI sobre os CTT

O Caixa Banco de Investimento analisou o plano de reestruturação dos CTT e concluiu que é “amplo”, mas alertou que o mercado preferia ter visto medidas para aumentar as receitas anunciadas para cortar custos. Antevê ainda uma alteração significativa na estrutura acionista.

“Este é um plano amplo de iniciativas para cortar custos que contém ainda receitas não-recorrentes da venda de ativos que não são core”, refere o Caixa BI, numa nota de análise ao plano de reestruturação anunciado pelo operador postal esta terça-feira.

O plano, que visa melhorar a rentabilidade dos CTT, inclui cortes de 25% na remuneração fixa do Presidente do Conselho de Administração e do CEO, 15% de redução para os restantes membros executivos e não executivos do Conselho de Administração em 2018, a ausência de remuneração variável para a Comissão Executiva referente a 2018 e 2017 e a redução de cerca de 800 postos de trabalho nas operações ao longo de três anos, em consequência da queda do tráfego do correio.

As ações dos CTT, que afundaram 44,84% no último ano, subiram 4,61% esta quarta-feira para 3,655 euros. Artur Amaro, analista do Caixa BI, salienta, no entanto, que os investidores esperavam outro tipo de medidas.

“Nesta altura acreditamos que o mercado receberia melhor medidas para melhorar as receitas do que cortes de custos”, refere. “Salientamos também que este plano será difícil de executar e vai enfrentar pressões políticas severas e ainda contestação significativa dos sindicatos”.

Amaro adianta que, no entanto, tendo em conta a cotação atual, o elevado free float do título e o potencial desenvolvimento autónomo de alguns dos segmentos, nomeadamente do Banco CTT e do Expresso e Encomendas, é justo assumir (ou pelo menos não excluir “a probabilidade acrescida de uma alteração significativa na estrutura acionista”.

Relacionadas

Respostas Rápidas: O que se está a passar nos CTT?

Perceba o que levou uma das empresas mais emblemáticas do País a estar sob fogo cerrado dos sindicatos e trabalhadores e da maioria parlamentar que apoia o Governo, enfrentando uma greve de dois dias nas vésperas de Natal.

Costa garante: “Não, não é intenção do Governo nacionalizar os CTT”

“Quanto muito haveria lugar a resgate de concessão,” ressalvou o primeiro-ministro, em resposta a Hugo Soares, do PSD. Ou seja, Costa rejeita a hipótese de nacionalização, mas admite um “resgate de concessão” que, na prática, iria ao encontro do que Catarina Martins, líder do BE, defendera escassos minutos antes: “Os CTT só servem o país se forem públicos.”

Catarina Martins questiona António Costa: “Irá o Governo recuperar para a esfera pública o serviço postal dos CTT?”

A líder bloquista alerta para práticas de “assalto” e “pilhagem” nos CTT pós-privatização e insta o Governo a chumbar o processo de reestruturação em curso e a reverter a privatização. Costa remete para avaliação de grupo de trabalho recém-formado e enjeita possibilidade de renacionalização.

Greve nos CTT vai atrasar distribuição das suas cartas amanhã e sexta

Fernando Ambrioso, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações, filiado na CGTP, disse à agência Lusa que “a paralisação deverá ter uma forte adesão, tendo em conta a mobilização demonstrada pelos trabalhadores nos locais de trabalho”.

Ações dos CTT disparam após apresentação do plano de reestruturação

Os investidores estão agradados com o plano de reestruturação apresentado pelo operador postal esta segunda-feira e que inclui cortes de 25% nos salários dos gestores e a redução de 800 postos de trabalho nas operações
Recomendadas

Al Gore ‘substitui’ Barack Obama no Climate Change Leadership Porto

O Prémio Nobel e ex-vice-presidente dos Estados Unidos estará no Porto em março para uma conferência focada nos desafios que as alterações climatéricas representam para a indústria mundial do vinho.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

C&A Iberia fecha semestre com aumento de 7% nas vendas

Atualmente, a C&A conta com 118 lojas e 2.069 colaboradores em Portugal e Espanha.
Comentários