PSI 20 abre em queda penalizado pelo grupo EDP e pela venda de 3,46% da Corticeira Amorim

O principal índice bolsista português iniciou a sessão a perder 0,15%, para 5.064,95 pontos.

O principal índice bolsista português (PSI 20) iniciou a sessão a perder 0,15%, para 5.064,95 pontos, quando o sentimento é misto entre as principais praças europeias esta quarta-feira, 5 de junho.

Em Lisboa, o grupo EDP destaca-se. Segundo o noticiado pelo “Jornal de Negócios”, a EDP Brasil já acumula uma valorização desde o início do ano de 38,85%, após a “Bloomberg” ter noticiado que a China Three Gorges poderá avançar com uma fusão entre ativos que controla no Brasil e as operações da EDP no mesmo mercado. Esta quarta-feira, a EDP perde 0,12%, para 3,32 euros.

A EDP Renováveis também acompanha esta tendência ao tombar 1,44%, para 8,87 euros.

Ainda no setor energético, também a REN está em queda, desvalorizando 0,21%, para 2,42 euros.

Outro destaque da sessão é a Corticeira Amorim que recua 1,18%, para 10,06 euros, quando foi noticiado que a Investmark, controlada pela família Amorim, ganhou 43,7 milhões de euros coma a venda de 4.600.000 ações representativas de 3,46% do capital da Corticeira Amorim a investidores internacionais. Os títulos foram vendidos a 9,5 euros, o que representa um desconto de 7,16% face à cotação de fecho da sessão de terça-feira (10,18 euros).

A empresa de telecomunicações NOS é outra cotada que observada de perto pelos investidores, após o Caixabank ter publicado o seu documento de estratégia Iberian Book, onde a empresa liderada por Miguel Almeida foi incluída na core list. Além disso, o Caixabank elevou o preço-alvo da NOS para finais de 2020 dos 6,35 euros para 6,75 euros A telecom perde 0,44%, para 5,65 euros.

Os títulos da Sonae SGPS (-0,06%), da Jerónimo Martins (-0,18%) e da Ibersol (-0,99%) também penalizam o PSI 20.

Em contraciclo, destaque para a Navigator que continua a comprar ações próprias. A papeleira abriu em alta (0,43%). A empresa informou o mercado que passou a deter 4.386.959 de ações próprias, correspondentes a 0,611% do capital social.

Também a Mota-Engil (1,71%) se destaca, quanod a ação negoceia sob a forma de ex-dividendo (0,074 euros). A cotação ajustada do fecho de terça-feira da Navigator foi de 1,87 euros.

Entre as principais congéneres europeias, a deterioração das relações entre os EUA e a China continuam a pesar no sentimento dos investidores. O que levou as principais praças europeias a abrirem mistas.

A situação politico-orçamental de Itália e outras questões económicas europeias continuam a penalizar os mercados. Sobre Itália, a Comissão Europeia deverá expressar-se esta quarta-feira.

Também as estimativas de crescimento da economia mundial para 2019, reveladas na terça-feira pelo Banco Mundial, podem ter influencia na sessão de hoje. De acordo com as novas estimativas, a economia global deverá crescer 2,60% face aos 2,910% anteriormente projetados – as principais raxzões para este corte prende-se com a “guerra comercial” sino-americana.

[Dados do início da sessão]

Ler mais
Recomendadas

Irão enerva Wall Street

Foi um final de semana tremido para a bolsa nova-iorquina com os três principais índices a fechar no vermelho.

BCP arrasta Bolsa de Lisboa para perdas. Europa fecha mista

Segundo o Eurostat Portugal continua a apresentar a terceira maior dívida pública (123,0% do PIB), depois da Grécia (181,9%) e da Itália (134,0%). Isto penalizou sobretudo bolsa italiana e a dívida soberana de Itália. No PSI 20 a queda de mais de 2% do BCP é justificada em parte pelo facto de o DjStoxx Banks ter a pior performance do dia.

PremiumPowell vai decidir quanto poderá correr o ‘touro’ de Wall Street

Os índices bolsistas norte-americanos não descolam de máximos e aguardam apenas o ‘OK’ da Fed no dia 31 para voarem mais alto com juros mais baixos. Nem a estagnação dos lucros reduz expetativas.
Comentários