Segurança Social atrasa-se nove meses a atribuir novas pensões

Federação de Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos revela que existem cerca de 3.500 reclamações para os serviços centrais da Segurança Social para resolver, a maioria das quais há mais de um ano.

Cristina Bernardo

A atribuição de novas pensões pela Segurança Social já regista em alguns casos nove meses de atraso, revela esta terça-feira, 18 de setembro, o “Correio da Manhã” (CM).

A Federação de Sindicatos da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos (FESAP) atribuem os problemas à falta de pessoal, segundo o diário generalista.

O sindicato aponta também para cerca de 3.500 reclamações relativas a pensões, abonos de família e subsídio de funeral, para os serviços centrais da Segurança Social para resolver, a maioria das quais há mais de um ano.

De acordo com José Abraão, líder da FESAP, “a contratação de 100 trabalhadores precários em regime de outsourcing não resolve o problema, porque estes temas exigem conhecimento técnico”.

Sobre estas contratações precárias para o Instituto da Segurança Social, o ministro do Trabalho, José António Vieira da Silva, afirma tratar-se de uma situação “excecional” já que está a decorrer ainda o recrutamento de 200 trabalhadores para este organismo.

Recomendadas

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.

Governo já pediu a Bruxelas que IVA da luz possa variar em função do consumo

Executivo já iniciou processo para ter autorização da Comissão Europeia para criar escalões de consumo para o IVA da eletricidade.

Maria e Francisco foram os nomes mais escolhidos para bebés em Portugal este ano

Francisco foi pela primeira vez o nome mais escolhido para rapazes, Maria mantém a primeira posição entre as raparigas.
Comentários