Ulisses Correia: “É preciso investir mais nas posturas municipais e na autonomia das famílias”

O primeiro-ministro de Cabo Verde disse afirma que toda a estratégia de desenvolvimento do país tem “necessariamente” de se basear em horizontes temporais de longo prazo para atingir objetivos com “consistência, perseverança e atitude empreendedora”.

José Sena Goulão / Lusa

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, disse esta terça-feira, no Sal, que toda a estratégia de desenvolvimento do país tem “necessariamente” de se basear em horizontes temporais de longo prazo para atingir objetivos com “consistência, perseverança e atitude empreendedora”.

Ulisses Correia e Silva teceu essas considerações na abertura da III Cimeira Internacional dos Líderes Locais a que presidiu, e decorrerá durante três dias na cidade de Santa Maria, sob o tema: “O território como espaço de inovação para a concretização da Agenda 2030”.

“Os territórios de um país são na realidade, os espaços onde as coisas acontecem, onde as pessoas vivem, os investimentos são realizados, os serviços são prestados, e onde o ambiente social, cultural, e a atratividade, quer económica quer social, pode ser boa ou pode ser má”, apontou.

Fazendo essa leitura, o chefe do governo cabo-verdiano sublinhou que a necessidade de “boas sinergias” entre os poderes central e local “é importantíssimo” para a competitividade, coesão social e territorial.

Nesta medida, e destacando o tema do encontro, Ulisses Correia e Silva disse que os painéis escolhidos para esta cimeira não podiam ser mais “pertinentes e adequados”. “Além de necessários investimentos em infraestruturas de requalificação urbana e ambiental, de tornar os bairros agradáveis e atractivos e de facilitar a mobilidade, é preciso investir muito mais nas posturas municipais e na autonomia e autossuficiência das famílias”, disse.

“É preciso investir em novas atitudes, mais sustentáveis. Quebrar a ideia de que descentralizar é distribuir dinheiro do governo central, que tem um grande cofre, para o governo local que tem um pequeno”, acentuou.

O governante concluiu a sua intervenção anunciando que reformas políticas estão a ser empreendidas para tornar o ambiente económico e de negócios mais favoráveis para o efeito, ao nível dos transportes, energia, água, administração pública, fiscalidade e do financiamento

Organizada pela Associação Nacional dos Municípios Cabo-verdianos (ANMCV), pelo governo de Cabo Verde e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), esta cimeira realiza-se no âmbito da implementação do Programa Plataformas para o desenvolvimento local e objetivos 2030 em Cabo Verde. Esta é uma iniciativa do programa do governo local, gerido pelo PNUD e financiado pelo Grão-Ducado do Luxemburgo.

Ler mais
Recomendadas

Isabel dos Santos diz que Angola vive em “instabilidade”

“Estão a viver-se momentos difíceis, não há dúvida. Estamos a viver momentos de grandes dúvidas e o que é fundamental e importante é que se respeite o Estado de Direito. É muito importante que se respeitem as leis, é muito importante que não haja atropelos entre os três poderes, que as pessoas tenham confiança na Justiça”, diz empresária angolana.

Isabel dos Santos diz que não usa dinheiro público angolano para investir

“Trabalho com bancos em Cabo Verde, com bancos em outros países africanos, bancos que nos apoiam, que acreditam nos projetos, que acreditam na validade dos projetos que nós propomos. Portanto, tenho muitas dívidas”, afirma a empresária angolana.

Capital da CV Telecom vai ser dispersado em 2020

O ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, anunciou esta sexta-feira na conferência da Lusa que em 2020 o capital da CV Telecom será dispersado em bolsa, através de convite a empresas estrangeiras.
Comentários