Universidade da Madeira fecha parceria com cinco instituições para mestrado em Estudos de Enfermagem

A parceria envolve a Universidade de Évora e os Institutos Politécnicos de Beja, Castelo Branco, Portalegre, e Setúbal.

Campus da Universidade da Madeira, Penteada, Funchal

A Universidade da Madeira (UMa), em parceria com a Universidade de Évora, e os Instituto Politécnicos de Beja, Castelo Branco, Portalegre, e Setúbal, vão lançar no ano lectivo de 2019/2020 a primeira edição do mestrado em Estudos de Enfermagem.

O mestrado tem uma duração de quatro semestres, e vai ser leccionado em regime misto. A instituição do ensino superior vai disponibilizar 30 vagas para candidatos nacionais de um estado membro da União Europeia e mais cinco vagas para candidatos sem nacionalidade de países da União Europeia.

As candidaturas para o mestrado em Estudos de Enfermagem vão até 28 de março e podem ser efetuadas no Portal da Universidade de Évora.

O objetivo do mestrado, que dá grau académico de Mestre em Enfermagem, atribuído por todas as Instituições parceiras, passa por “formar enfermeiros que contribuam para a investigação, ensino, gestão e desenvolvimento da disciplina”.

Recomendadas

Parlamento Europeu: Sara Cerdas nomeada para delegações Euro-Latino-Americana e África do Sul

Sara Cerdas afirma a necessidade de “construir pontes, criar relações consolidadas e intervir diretamente nos problemas que afetam diariamente os nossos emigrantes”, acrescentando que o Parlamento Europeu dispõe de mecanismos que podem ajudar a ultrapassar alguns desses problemas.

Madeira: CDU denuncia destruição do Vale do Porto Novo por utilização de pedreiras e britadeiras

Edgar Silva diz que a destruição ambiental na Região “é uma realidade que acontece porque conta com poderosos interesses económicos aos quais os governantes nas autarquias e no Governo Regional dão proteção”.

Albuquerque quer auscultar população para definir programa de Governo

Para o presidente do Governo Regional, a escolha nas eleições regionais, é entre aqueles que “salvaguardam o direito dos madeirenses a decidirem o seu presente e futuro” e “aqueles que estão subordinados aos interesses centralistas de Lisboa”.
Comentários